Metade dos jovens brasileiros dependem de programas do governo para cursar universidade

A pesquisa inédita realizada pela ABMES ouviu mil jovens e 18 a 30 anos com ensino médio completo. Segundo o estudo, 81% dos entrevistados pretendem cursar o nível superior. Embora sonhem com o diploma,...

2353 0

A pesquisa inédita realizada pela ABMES ouviu mil jovens e 18 a 30 anos com ensino médio completo. Segundo o estudo, 81% dos entrevistados pretendem cursar o nível superior. Embora sonhem com o diploma, mais da metade deles, 50,5%, afirmou que a família não tem condições de pagar uma faculdade particular

Por Redação

Uma pesquisa inédita realizada pela ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior) divulgada nesta quarta-feira (20) mostra que 50,5% dos jovens que pretendem ingressar em curso superior de universidade não têm condições de pagar as mensalidades e precisam da ajuda de programas de financiamento do governo.

37,3% dos entrevistados informaram que poderiam pagar as mensalidades e 12,2% disseram que talvez tenham condições de pagar. O estudo ouviu mil jovens de 18 a 30 anos, com ensino médio completo, de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Fortaleza, Manaus, Recife e Belém.

Segundo a pesquisa, 81% dos jovens entrevistados pretendem cursar o nível superior dentro dos próximos 3 anos. Embora sonhem com o diploma, mais da metade deles, 50,5%, afirmou que a família não tem condições de pagar uma faculdade particular.

Dentro deste grupo que pretende cursar uma graduação, 57,9% dos jovens esperam contar com o ProUni e 50,3%, com o Fies para atingir seu objetivo. A maioria destes estudantes, 71,9%, cursou o ensino médio em escolas públicas e 62,9% deles acredita que os estudantes de escolas públicas não têm as mesmas condições que os alunos das particulares para ter acesso às universidades públicas.

Também é unânime a opinião de que o governo federal deve aumentar o número de vagas do Fies (90,2%) e do ProUni (91,9%); e 75% não considera justo que o governo reduza os investimentos em programas educacionais com o objetivo de controlar os gastos públicos.

Foto de Capa: Roosewelt Pinheiro / Agência Brasil



No artigo

x