Tributo: Estudantes de jornalismo prestam homenagem a Goulart de Andrade

Alunos dão depoimentos sobre o legado do jornalista, que passou por emissoras como Globo, Record, Bandeirantes, SBT e, por último, fazia um programa com jovens na TV Gazeta. Ele morreu na madrugada desta terça-feira (23) por consequência de problemas cardiorrespiratórios.

1524 0

Alunos dão depoimentos sobre o legado do jornalista, que passou por emissoras como Globo, Record, Bandeirantes, SBT e, por último, fazia um programa com jovens na TV Gazeta. Ele morreu na madrugada desta terça-feira (23) por consequência de problemas cardiorrespiratórios

Por Matheus Moreira

Natural do Rio de Janeiro, o apresentador, jornalista, radialista, ator, diretor e empresário Luis Felipe Goulart de Andrade morreu na madrugada desta terça-feira (23), em São Paulo, por consequência de problemas cardiorrespiratórios.

Goulart de Andrade, como era conhecido pelo público, tinha 83 anos e estava internado no hospital Sancta Maggiore. Com 61 anos de carreira, ele trabalhou na TV Globo, onde começou em 1978 o programa Comando da Madrugada. Goulart chegou a atuar também no Fantástico e no São Paulo Especial.

Além da emissora, o jornalista esteve na Record, Bandeirantes, SBT e seu último trabalho foi na TV Gazeta, no programa Vem Comigo, no qual estudantes de Comunicação Social da Faculdade Cásper Líbero atualizavam reportagens que ele havia produzido em anos passados.

Abaixo, confira depoimentos de alunos sobre o legado deixado por Goulart.

“Para alguém que acabou de entrar na faculdade, Goulart de Andrade era dessas lendas do Jornalismo e da reportagem que nós só podíamos sonhar em imitar ou em chegar perto. Em uma oportunidade da vida, pude participar duas vezes do ‘Vem Comigo’. Nas duas, com temas relacionados à infância: os games e o Dia das Crianças.

Mesmo idoso, Goulart tinha um esforço impressionante para se aproximar dos temas, falar por dentro e com propriedade. Na semana passada, começaria a oportunidade de um terceiro encontro. A vida, com seus mistérios, impediu que isso acontecesse. A lição que fica é de gratidão e de um repórter com ouvido atento e coração aberto” – Guilherme Venaglia

“Escolhi Jornalismo na Cásper porque tinha o sonho de fazer o ‘Vem Comigo’, depois de um open house, no qual assisti à gravação de uma edição do programa – quando ainda era gravado no teatro do 3º andar [do prédio da Gazeta, na Avenida Paulista, 900]. Neste ano consegui realizar isso e foi melhor do que eu estava imaginando. A produção foi incrível e ele foi super atencioso e simpático comigo e com o grupo. Quero que ele descanse em paz. Tenho certeza que o seu legado e sua colaboração para com a história do jornalismo irá inspirar todos nós, futuros jornalistas que aprendemos e ainda aprenderemos muito com o homem que criou o tão conhecido ‘Vem Comigo’” – Gabriel Calvino

“Estava no primeiro ano quando conheci o Goulart de Andrade. A pessoa e o modo de olhar o mundo. A presença de Goulart chegava a mim com passos lentos e profundos. Conversava comigo sobre os meninos da Fundação Casa olhando nos olhos, em um ritmo diferente da correria que já pressionava minha alma e minha mente no início da faculdade. As reportagens e os programas tinham o tempo do coração, como tem que ter uma boa conversa entre seres humanos, como poderia ser o jornalismo em todas as suas expressões ” – Priscila Kesselring

“Muita gente diz que o deslumbramento do primeiro ano da faculdade de Jornalismo acaba em meses. Porém, posso dizer que, na primeira vez que encontrei Goulart de Andrade, ele possuía o brilho no olho de um calouro sedento pelo fazer jornalístico, por contar histórias, por mudar o mundo. O jornalismo perde hoje um grande representante. Um jornalista brilhante e uma pessoa agradabilíssima que merece todas as homenagens possíveis” – Isabella Faria

“Umas das melhores experiências que tive no jornalismo foi participar do ‘Vem Comigo’ e trabalhar, mesmo que por pouco tempo, com o Goulart. Ele é um exemplo de profissional e de amor pela profissão do qual nunca podemos esquecer! Estará sempre em minha memória; que descanse em paz” – Luanna Martins

“Tive o prazer de gravar duas releituras de matérias antigas do Goulart e ainda conversar com ele sobre esse trabalho. Foi uma das minhas melhores experiências profissionais, que me permitiu sentir que ele realmente amava a profissão e fazia tudo com muita dedicação. Mesmo com mais de 60 anos de carreira, ele ainda se dispunha a gravar com alunos inexperientes. E mesmo com tanta experiência, ele dizia que ainda aprendia com a gente! Ele era fofíssimo e sempre o víamos de bom humor” – Paola Zanon

“Tem momentos que a gente demora para acreditar que são verdadeiros. A oportunidade de participar do programa ‘Vem Comigo’, logo no meu segundo ano de faculdade, foi um desses momentos. O nervosismo acabava quando Goulart aparecia com a sua descontração e paciência para ensinar os futuros jornalistas. São momentos que demoram para se concretizar, mas, quando acontecem, ficam guardados na memória para sempre. Obrigada, Goulart!” – Beatriz Duarte

“Guardo no peito a grande experiência de ter participado do ‘Vem Comigo’ e ter a oportunidade de conhecer essa grande figura. Estava ansiosa por saber que iria conhecer esse grande mito do jornalismo, e quando o vi, lá estava ele, sentado, perguntando por que não gravávamos logo, já que nós (eu e a equipe) éramos bons e seria só improvisar. Depois , quando viu que estávamos nervosas, elogiou nossos sorrisos e nos deu dicas pra não ficarmos nervosas em frente às câmeras. Retribuiu com aquele sorriso de pai quando vê a inexperiência do filho. Você vai ser sempre uma grande referência, Goulart, e seu sorriso e simpatia ficarão em nossas memórias! Fica bem onde estiver!” – Louise Demetrio

“Os caminhos da vida me deram a sorte de ter trabalhado com ele (e equipes fantásticas) em duas oportunidades muito enriquecedoras. Conhecer o homem pessoalmente intimida. No primeiro milésimo. Porque, no instante seguinte, ele já está fazendo o que sabe de melhor: criar laços com quem está se comunicando.

Goulart é referência em jornalismo por ter tido a segurança de ser livre, despojado e, ao mesmo tempo, informativo em frente às câmeras. Ele pegou o protocolo de etiqueta dos âncoras de gesso, mastigou e vomitou em forma de linguagem de vanguarda. O forte do cara sempre foi a investigação, e numa dessas ele descobriu o segredo da vida eterna: marcar as pessoas, para que você esteja sempre vivo nas lembranças delas. Goulart é eterno! ” – Alex Lee Macedo Pereira

Foto: Facebook/Vem Comigo 



No artigo

x