Mais manobra: Cunha “some” para não ser notificado sobre votação de sua cassação

Procurado por funcionários da Câmara em três endereços, Cunha “sumiu” e não pôde ser notificado sobre a sessão da próxima segunda (12), que vai analisar o parecer do Conselho de Ética que recomenda a cassação de...

2442 0

Procurado por funcionários da Câmara em três endereços, Cunha “sumiu” e não pôde ser notificado sobre a sessão da próxima segunda (12), que vai analisar o parecer do Conselho de Ética que recomenda a cassação de seu mandato

Por Redação

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fez mais uma manobra para adiar a cassação do seu mandato. Procurado por funcionários da Câmara em três endereços, Cunha “sumiu” e não pôde ser notificado sobre a sessão da próxima segunda (12), que vai analisar o parecer do Conselho de Ética que recomenda a cassação de seu mandato.

Na sexta, eles o procuraram em seu apartamento funcional em Brasília. Nesta segunda-feira (5) tentaram localizá-lo novamente na capital federal e nos dois endereços fornecidos por ele no Rio: a sua residência e o seu escritório político. Se Cunha não for encontrado após três tentativas em cada endereço, a Câmara publicará a notificação no Diário Oficial da União.

Em entrevista ao jornal O Globo, Cunha disse que “ninguém telefonou para ele para combinar” e que ele “não é obrigado a ficar disponível”.

“Ninguém me procurou, ninguém ligou. Sexta eu estava no Rio e foram à casa em Brasília. Hoje, que não estou (no Rio), foram lá. Era só telefonar e combinar. Não sou obrigado a adivinhar e nem ficar disponível, esperando”, disse Cunha ao jornal.

Segundo a mesma publicação, aliados do ex-presidente estudam duas estratégias para evitar a cassação de Cunha: faltar à sessão e derrubar o julgamento por falta de quórum ou trocar a pena de perda de mandato pela suspensão temporária, de 90 dias ou até seis meses.

Foto de Capa: Antonio Cruz/ABr



No artigo

x