“Infiltrado do Tinder” que espionava manifestantes é capitão do Exército

Oficial de inteligência ajudou a Polícia Militar de São Paulo a prender 21 jovens no domingo, numa ação ilegal que juiz comparou à ditadura.

3166 0

Oficial de inteligência ajudou a Polícia Militar de São Paulo a prender 21 jovens no domingo, numa ação ilegal que juiz comparou à ditadura

Por Fausto Salvadori, da Ponte Jornalismo

A verdadeira identidade de Baltazar Nunes, o Balta, falso militante que usava o aplicativo de paquera Tinder e outras redes sociais para se infiltrar em movimentos sociais e de esquerda, é a do capitão de inteligência do Exército Willian Pina Botelho.

A identidade de Botelho foi informada inicialmente à reportagem por conhecidos do militar que viram a foto de Balta publicada ontem pela Ponte. Posteriormente, a reportagem confirmou a informação ao mostrar fotos do capitão para cinco pessoas diferentes que haviam sido enganadas por Balta.

Natural de Lavras (MG), Willian Pina Botelho formou-se em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ), ficou lotado inicialmente em Araguari (MG), onde organizava os leilões dos materiais, e concluiu o mestrado em Operações Militares na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, na capital carioca. Em 2013, com mais dois colegas, publicou na revista militar A Lucerna um artigo, A inteligência em apoio às operações no ambiente terrorista, em que alertava para os riscos de ataques terroristas no Brasil.

O oficial vinha atuando em São Paulo pelo menos desde o ano passado. Durante esse tempo, morou em um prédio da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 3249, no apartamento 906, que está em nome do general de brigada Manoel Morata Almeida, primeiro comandante da Base e Administração e Apoio do Ibirapuera. Ali, os funcionários do prédio o conhecem pelo nome verdadeiro e sabem que Botelho trabalha para o Exército.

Sob a falsa identidade de Balta, o militar buscava se aproximar de militantes de esquerda através de contatos nas redes sociais e da participação em manifestações e protestos. A máscara de Balta-Botelho, porém, caiu por terra no último domingo (4/9), quando a Polícia Militar mobilizou uma operação com ônibus, helicóptero e uma dezena de viaturas para prender 21 jovens que estavam reunidos no Centro Cultural São Paulo (CCSP), na região central, de onde pretendiam seguir para participar de um ato contra o presidente Michel Temer (PMDB), na Avenida Paulista.

Pelo tamanho do aparato mobilizado pela PM, os jovens perceberam que se tratava de uma operação planejada com antecedência e desconfiaram que devia haver alguém infiltrado no grupo passando informações à polícia. Como Balta foi o único detido que acabou liberado logo em seguida pelos policiais, ficou claro que só podia ser ele. Questionado pelos colegas, Balta chegou a dizer que havia escapado por ter oferecido suborno aos policiais civis, mas a desculpa não convenceu ninguém.

Depois que o juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo mandou soltar os manifestantes presos e comparou a prisão sem provas dos jovens à ditadura militar, Balta apagou seus perfis nas redes sociais e sumiu, não sem antes anunciar que daria um tempo por causa de “pessoas que não entende a nossa luta”.

Paqueras e tocos

O capitão Willian Pina Botelho que aparece nas redes sociais é homem ligado à família, que curte viajar e ir a shows, toca violão, arrisca-se a compor alguns sambas e gosta de ler. Conhecidos do militar dizem que ele nasceu em uma família humilde, mas os pais se esforçaram para matriculá-lo nos melhores colégios. Enfrentou duas tragédias: um câncer que levou sua mãe e o assassinato do irmão.

Na sua lista de livros favoritos, biografias e obras cristãs se misturam a títulos sobre estratégias militares, como A utilidade da força – a arte da guerra no mundo moderno, de Rupert Smith, que ensina a a “combater inimigos sem uniforme” e “conquistar os corações e as mentes”.

Na batalha pelos corações e mentes da militância de São Paulo, o capitão buscou se misturar aos ativistas deixando crescer barba e cabelo e tentando imitar os jargões do meio. A tentativa de infiltração, porém, tinha lá as suas falhas.

No aplicativo de paquera Tinder, ostentava uma frase falsamente atribuída a Karl Marx (“Democracy is the road to socialism”). E, falando com pessoas que conheceram Balta, a reportagem da Ponte teve a impressão de que o disfarce do capitão nunca fez muito sucesso. Nos seus melhores momentos, era visto como um iniciante. E, nos piores, como um mala.

“Da primeira vez em que nos vimos, Balta disse que me conhecia do Facebook e começamos a conversar. Ele me pareceu uma pessoa de esquerda com posições moderadas, que estava começando na militância”, conta um ativista de um movimento social.

No Tinder, em que o militar aparentemente tentava combinar diferentes tipos de infiltração, misturando paquera e busca de informações, os resultados podiam ser constrangedores. “Há um tempo cruzei com esse cara no Tinder e realmente tinha me soado esquisito, meio forçado. Ele foi logo perguntando de uma conhecida em comum, que é bem militante. Achei bizarro e desconversei, nunca mais falei com ele”, contou à Ponte uma servidora municipal.

Numa conversa com outra jovem, a tentativa de parecer um cara legal e defensor das minorias levou o oficial do Exército a tomar um toco:

Até o momento, como nem Forças Armadas ou Secretaria da Segurança Pública se manifestaram, a reportagem desconhece os motivos que levaram o Exército a participar, junto com as polícias de São Paulo, de uma operação policial tão abusiva que fez um juiz declarar em sua decisão: “Vivemos dias tristes para nossa democracia. Triste do país que seus cidadãos precisam aguentar tudo de boca fechada”.

A julgar por um de seus posts antigos no Instagram, contudo, o capitão Botelho sabe que não poderá usar o argumento das ordens recebidas para justificar suas ações. A respeito de um livro sobre os carrascos nazistas, o militar escreveu: “tenho pensado muito nas consequências das ordens dadas e recebidas, pois nunca podemos esquecer que algum julgamento terá, e não meramente alegações de estava fazendo por ordem de alguém ou por comprometimento com o seu país”.

Autoridades não respondem

À assessoria de imprensa do Exército, a Ponte enviou as seguintes perguntas.

1) Qual era a natureza do trabalho do capitão Willian como infiltrado? Que tipo de parceria foi firmada entre o Exército a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo?

2) Há quanto tempo esse trabalho era realizado?

3) Qual era o objetivo? Por que usar o Exército para monitorar movimentos de esquerda?

4) Que autoridade autorizou essas ações de infiltração?

5) Como o Exército avalia o resultado desse trabalho, já que os jovens presos foram inocentados na Justiça?

6) Há outras ações de infiltração em andamento? Em quais estados? Quantas pessoas o Exército mantém infiltrados hoje em movimentos de esquerda?

7) O Exército pretende pedir desculpas às famílias dos jovens que foram presos sob acusações falsas?

8) O Exército pretende pedir desculpas às mulheres que foram enganadas por Willian no Tinder?

O Exército não respondeu.

Às assessorias de imprensa da Polícia Militar e da Secretaria da Segurança Pública (SSP), coordenada pela CDN Comunicação, a Ponte repetiu algumas das perguntas anteriores e acrescentou mais duas.

A PM vai admitir que o coronel Dimitrius Fikatorius mentiu ao dizer na última coletiva que os jovens do CCSP foram presos numa abordagem motivada por “atitude suspeita”?

Como a SSP viu a decisão do juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, que comparou as prisões desse caso à ditadura, dizendo que “esse tempo, felizmente, já passou”?

Segurança Pública e PM também não responderam.

Foto: Reprodução



No artigo

x