Loja nos EUA coloca placa proibindo entrada de “Obama e outros Muçulmanos”

“Obama e outros muçulmanos não são bem-vindos aqui”, diz o aviso na entrada de um mercado no sul dos Estados Unidos, que causou grande indignação em todo o país. Placa está no local há quatro anos, mas só chamou a atenção depois de denúncia...

1150 0

“Obama e outros muçulmanos não são bem-vindos aqui”, diz o aviso na entrada de um mercado no sul dos Estados Unidos, que causou grande indignação em todo o país. Placa está no local há quatro anos, mas só chamou a atenção depois de denúncia de ex-funcionário.

Da AFP

“Obama e outros muçulmanos não são bem-vindos aqui”, diz o aviso na entrada de um mercado no sul dos Estados Unidos, que causou grande indignação em todo o país.

O dono da loja, situada na pequena cidade de Mayhill (estado do Novo México), já estaria colocando essas placas há quatro anos. Agora, chamou a atenção de um viajante, que alertou uma rede de televisão local.

Um ex-funcionário do estabelecimento disse à emissora KOB que seu antigo chefe já expulsou clientes que se mostraram ofendidos com a mensagem.

“Isso já tem um bom tempo”, contou Marlon McWilliams.

“Se você entra e se ofende, não pode entrar de novo. Já proibiu a entrada de muita gente”, completou.

McWilliams explicou que o dono do mercado dessa cidade chegou a vender cartazes contra o presidente Obama e contra outras figuras públicas.

Um deles dizia “Matem Obama” em letras garrafais e com a palavra “care” em tamanho menor logo abaixo.

“Obamacare” é o nome que recebe a reforma de Saúde promulgada por Obama, que deu cobertura médica a 20 milhões de americanos e que foi fortemente criticada pelo presidente eleito Donald Trump.

Essas mensagens polêmicas foram criticadas nas redes sociais, com muitos cidadãos, convocando um boicote à loja. Outros defenderam o direito à liberdade de expressão do dono desse comércio.

O dono da loja, que agora está à venda, não pôde ser contactado para dar sua versão.

Consultados pela AFP, funcionários de um hotel e de um café próximos preferiram não comentar o assunto.

O CAIR, uma organização de defesa dos muçulmanos nos Estados Unidos, pediu ao dono do estabelecimento que retirasse as placas.

“Embora todos tenham o direito pela Primeira Emenda [da Constituição] à liberdade de expressão, mesmo que seja ofensivo, exortamos ao dono que retire as placas pela decência comum e a unidade da nossa nação em um momento de divisões crescentes”, afirmou o porta-voz do CAIR, Ibrahim Hooper.



No artigo

x