Para evitar golpe do referendo, Maduro nomeia vice aliado e muda 11 ministros

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nomeou como novo vice-presidente o jovem governador do Estado de Aragua, Tareck El Aissami. A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que controla o Parlamento, anunciará a nova estratégia contra Maduro e poderá ou não seguir com...

902 0

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nomeou como novo vice-presidente o jovem governador do Estado de Aragua, Tareck El Aissami. A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que controla o Parlamento, anunciará a nova estratégia contra Maduro e poderá ou não seguir com a iniciativa do referendo revogatório.

Da Redação com informações da AFT

 

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nomeou como novo vice-presidente o jovem governador do Estado de Aragua, Tareck El Aissami. Aos 42 anos, ele assumirá a direção do país caso ocorra um referendo revogatório de mandato em 2017 e Maduro seja derrotado.

— Designei como vice-presidente executivo da República o companheiro Tareck El Aissami, para que assuma esta etapa 2017-2018, com sua juventude, com sua experiência, com seu compromisso e sua valentia — anunciou Maduro em reunião do gabinete transmitida pela TV estatal.

“Temos que seguir recuperando o que Chávez nos ensinou: governar obedecendo o povo. O socialismo é o caminho para se salvar a pátria, não o capitalismo, não a burguesia, não a direita terrorista e criminosa”, disse El Aissami no Twitter.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que controla o Parlamento, anunciará a nova estratégia contra Maduro e poderá ou não seguir com a iniciativa do referendo revogatório. Em 2016, o referendo provocaria a convocação de novas eleições, mas se Maduro perder o cargo a partir de 10 de janeiro, El Aissami assume a presidência até o final de 2018.

El-Aissami substitui Aristóbulo Istúriz, 70 anos, como parte da reestruturação do gabinete anunciada por Maduro para “recuperar e expandir a revolução bolivariana em todos os planos; moral, econômico, político e internacional”.

O novo vice-presidente, de origem sírio-libanesa, foi líder estudantil, advogado e é um dos dirigentes mais influentes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) como governador de Aragua, um dos Estados mais violentos do país.

— Disse a ele: “Tareck, trabalhe noite e dia pela segurança do povo, na luta contra os criminosos, na luta para depurar as polícias regionais, na luta contra os terroristas da extrema direita” — revelou Maduro.

Em 2005, El-Aissami foi eleito deputado da Assembleia Nacional, antes de o então presidente Hugo Chávez o designar vice-ministro da Segurança Cidadã, entre 2007 e 2008. Chávez o nomeou em 2008 ministro das Relações Internas e Justiça, cargo que desempenhou durante quatro anos, antes de chegar ao governo de Aragua.

Mudanças no Gabinete

Dentre as principais mudanças no gabinete de Maduro, estão a volta do ex-vice-presidente e ex-chanceler Elías Jaua, que assume a Educação, e a nomeação de Adán Chávez, irmão de Hugo Chávez (1954-2013), para a Cultura.

O chavista ainda fundiu os ministérios da Economia e das Finanças, que passam para as mãos do deputado Ramón Lobo, e nomeou para a pasta do Petróleo Nelson Martínez, presidente da Citgo, braço internacional da PDVSA.

Martínez substitui Eulogio del Pino, que virou presidente da petroleira venezuelana. Maduro disse que precisava em seu gabinete “um conjunto de companheiros, em que se combine a experiência com o compromisso”.

Houve mudanças também em mais sete ministérios, mas não no comando militar e diplomático. Seguem no cargo os ministros da Defesa, Vladimir Padrino López, e das Relações Exteriores, Delcy Rodríguez.

No evento, que foi transmitido em rede nacional de rádio e televisão, Maduro disse que 2017 será para a Venezuela o ano da “contraofensiva vitoriosa, do crescimento e da expansão das forças produtivas do país”.

“Devemos ganhar a batalha pelo direito à paz e vencer os grupos criminosos e terroristas da ultradireita. Temos que entrar em um processo de libertação da violência criminosa, do tráfico de drogas e dos paramilitares.”

REFERENDO

Tareck El Aissami é o terceiro vice-presidente da Venezuela desde que Maduro assumiu, em 2013. O primeiro foi Jorge Arreaza. Pela legislação do país, o presidente pode trocar seu vice quantas vezes quiser.

Os rumores de uma nova troca circularam durante todo o ano passado, principalmente devido ao risco de que o chavista fosse derrubado no referendo revogatório de seu mandato que desejava a oposição.

Na época, chegou a ser cogitada para o cargo a mulher de Maduro, Cilia Flores, que assumiria se o chavista caísse na consulta. Com o atraso no cronograma da votação, a substituição ficou em segundo plano.

Hoje (5), haverá mudança na Assembleia Nacional, que passa a ter Julio Borges como presidente. Maduro disse esperar que o opositor acate o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e cumpra as promessas de diálogo.

“Tomara que mantenha sua palavra, embora tenda a não acreditar em nada do que dizem. Caso contrário, do jeito que a coisa vai, iremos rumo à dissolução e à convocação de novas eleições na Assembleia Nacional.”

O Legislativo, que há um ano é dominado pela oposição, foi declarado em desacato pela Justiça por empossar três deputados impugnados. Antes disso, a maioria das decisões da Assembleia foi impugnada pelos tribunais.

 



No artigo

x