Advogado de empresa enrolada na Lava Jato é filho de Padilha, ministro de Temer citado em delações

Um dos filhos do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (foto), também envolvido em delações, advoga desde 2002 para uma das empresas citadas pelas investigações da 36ª fase da Operação Lava Jato. Robinson Eliseu Reck...

980 0

Um dos filhos do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (foto), também envolvido em delações, advoga desde 2002 para uma das empresas citadas pelas investigações da 36ª fase da Operação Lava Jato. Robinson Eliseu Reck Padilha atua como advogado da Concepa (Concessionária da Rodovia Osório-Porto Alegre), citada por ter feito depósitos em contas controladas pelo advogado Rodrigo Tacla Duran, apontado como operador de um esquema de lavagem de dinheiro e que está preso na Espanha.

Da Redação com Informações do Uol

Um dos filhos do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (foto), também envolvido em delações, advoga desde 2002 para uma das empresas citadas pelas investigações da 36ª fase da Operação Lava Jato. Robinson Eliseu Reck Padilha atua como advogado da Concepa (Concessionária da Rodovia Osório-Porto Alegre), citada por ter feito depósitos em contas controladas pelo advogado Rodrigo Tacla Duran, apontado como operador de um esquema de lavagem de dinheiro e que está preso na Espanha.

Procurada, a TPI (Triunfo Participações e Investimentos), controladora da Concepa, confirmou que Robinson Padilha trabalha para a empresa, mas negou que ele atue nos casos relacionados à Lava Jato. Robinson Padilha também confirmou sua atuação junto à empresa e negou qualquer influência de seu pai em relação ao seu trabalho junto à Concepa.

A Concepa administra 121 quilômetros da rodovia que liga as cidades de Osório a Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. A Concepa é controlada pela TPI, um conglomerado de empresas que engloba outras quatro concessionárias de rodovias, a administração do aeroporto de Viracopos (em Campinas), um porto e uma usina hidrelétrica.

Em novembro de 2016, empresas do grupo controlado pela TPI foram alvo da 36ª fase da Operação Lava Jato. Os investigadores identificaram depósitos feitos por elas em contas controladas por Duran, apontado pelo MPF como operador de um esquema de lavagem de dinheiro usado por empreiteiras e outras empresas.

Segundo relatórios produzidos pelo MPF, a Concepa, empresa para a qual Robinson Padilha trabalha, fez depósitos no valor de R$ 798.070,50 em contas controladas por Duran.

A suspeita dos procuradores é de que empreiteiras e concessionárias de serviços públicos tenham firmado contratos fictícios com as empresas de Duran para justificar o repasse de dinheiro ao operador. Duran, por sua vez, seria o responsável por repassar recursos no Brasil ou no exterior a políticos e partidos seja por meio de doações oficiais ou por “caixa 2”.

Duran teve a prisão decretada pelo juiz da 13ª Vara Federal do Paraná, Sérgio Moro, mas fugiu do país. O advogado foi preso no dia 19 de novembro de 2016 na Espanha. As autoridades brasileiras, agora, tentam extraditá-lo.

Atuação de Robinson Padilha

Robinson Padilha defende a empresa em diversos processos que tramitam na Justiça do Rio Grande do Sul, na Justiça Federal gaúcha, no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no STF (Supremo Tribunal Federal). Em geral, os processos nos quais ele atua são relativos à defesa da empresa causas envolvendo pedidos de indenização por acidentes de trânsito.

Além de defender a empresa nos tribunais, Robinson Padilha também aparece como advogado da empresa durante reuniões do Conselho de Administração da Concepa. Seu nome e registro junto à OAB-RS (Ordem dos Advogados do Brasil – seção Rio Grande do Sul) aparecem em diversas atas do conselho.

Padilha foi citado por ter distribuído, ao menos R$ 4 milhões

Robinson é um dos seis filhos de Eliseu Padilha, ele próprio também citado no âmbito da Lava Jato. Segundo o delator Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Padilha, cujo codinome seria “Primo”, orientou a distribuição de ao menos R$ 4 milhões de um total de R$ 10 milhões referente a um acerto feito com o ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht na presença do presidente Michel Temer (PMDB) em 2014. Ainda segundo Melo Filho, Padilha pediu que parte dos recursos fosse entregue no escritório do ex-assessor do presidente Temer José Yunes. Padilha classificou a declaração de Melo Filho como “uma mentira”.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Eliseu Padilha disse ter conhecimento de que seu filho atua para a Concepa, mas negou que o escritório de advocacia do qual ele é sócio tenha recebido honorários dela. “Trata-se de um contrato de caráter pessoal e não do escritório de Eliseu Padilha”, disse a assessoria do ministro. A assessoria ainda negou que os contratos de Robinson Padilha junto à Concepa tenham relação com a atuação política de seu pai e negou que o ministro conheça Rodrigo Tacla Duran.



No artigo

x