Médicos são presos por cobrança ilegal de partos no SUS

Esquema, que durava 13 anos, teria movimentado R$ 1,6 milhão; profissionais se negavam a fazer cesáreas sem pagamento, o que teria provocado sequelas e até uma morte entre os bebês.

991 0

Esquema, que durava 13 anos, teria movimentado R$ 1,6 milhão; profissionais se negavam a fazer cesáreas sem pagamento, o que teria provocado sequelas e até uma morte entre os bebês

Por Redação

A Polícia Federal prendeu dois médicos preventivamente na cidade de Itaqui (RS), na manhã de segunda-feira (6), acusados de cobrança indevida de partos que deveriam ser cobertos de forma integral pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O esquema, que durava 13 anos, teria movimentado R$ 1,6 milhão. Durante as investigações, dezenas de mulheres relataram que tiveram de pagar obstetras e um anestesista pela cesárea no Hospital São Patrício.

Uma das pacientes gravou o momento em que um deles cobrava pela cirurgia: “se vai querer fazer cesárea com ligamento, aí eu vou te cobrar R$ 1,8 mil”, afirma na gravação. Quem não conseguia o valor, segundo a PF, aguardava pelo parto natural.

Pacientes contaram que ficaram vários dias em trabalho de parto, enquanto os profissionais se negavam a fazer a cirurgia sem pagamento, o que teria provocado sequelas e até uma morte entre os bebês.

Os dois médicos foram encaminhados à Penitenciária Modulada de Uruguaiana e devem responder pelos crimes de corrupção, estelionato e realização de esterilização cirúrgica ilegal. A funcionária de um dos médicos e um anestesista foram indiciados.



No artigo

x