Servidores e professores de Goiás aderem à greve geral do dia 15 de março

Desta forma, Goiás se junta a São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e outros estados na grande paralisação marcada para a próxima quarta-feira capitaneada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação Por...

2167 0

Desta forma, Goiás se junta a São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e outros estados na grande paralisação marcada para a próxima quarta-feira capitaneada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Por Rafael C. Oliveira, colaborador da Rede Fórum

Na última quinta-feira (8), os professores e servidores administrativos, por meio de assembleia promovida pelo Sindicato dos Profissionais em Educação de Goiás (SINTEGO), decidiram por unanimidade aderirem à mobilização da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Desta forma, Goiás se junta a São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e outros estados na paralisação marcada para o dia 15 de março.

Além da rejeição à Reforma da Previdência proposta pelo governo Temer, a categoria reivindica o piso dos professores, data-base dos servidores administrativos, reajuste salarial dos temporários e o fim do atraso no pagamento do vale-transporte. Os quatro pontos mencionados compõem o chamado “Pacote de Maldades” do governador Marconi Perillo (PSDB).

Rede municipal também para no dia 15 de março

Em assembleia realizada nesta sexta-feira (10) pela manhã, na Câmara Municipal de Goiânia, decidiu-se pela paralisação da categoria na próxima quarta-feira (15). Os servidores, além de pararem contra a reforma da previdência proposta pelo governo Temer, reivindicam o pagamento do data-base dos administrativos, piso para os professores, cobrança do auxílio locomoção dos servidores administrativos, a convocação dos aprovados no concurso da Rede Municipal de ensino, realizado no ano passado.



No artigo

x