Ciro Gomes: “Não tenho a menor vontade de ser candidato se o Lula for”

Ciro falou sobre este e vários outros assuntos em entrevista à Folha desta segunda-feira (27), onde critica também o "farsante" João Doria, o "exibicionista" Sergio Moro e o "golpista" Michel Temer.

990 0

Ciro falou sobre este e vários outros assuntos em entrevista à  Folha desta segunda-feira (27), onde critica também o “farsante” João Doria, o “exibicionista” Sergio Moro e o “golpista” Michel Temer.

Da Redação com Informações da Folha

Se Lula for candidato, Ciro Gomes não sai. “Não tenho a menor vontade de ser candidato se o Lula for”, diz. Ele já foi candidato à presidência duas vezes. A primeira em 1998 (11% dos votos) e 2002 (12%).

Ciro falou sobre este e vários outros assuntos em entrevista à jornalista Anna Virgínia Balloussier na Folha desta segunda-feira (27), onde critica também o “farsante” João Doria, o “exibicionista” Sergio Moro e o “golpista” Michel Temer.

Sobre a candidatura de Lula para 2018, ele disse: “Votei nele em 1989 [no segundo turno], 2002 e 2006. Na Dilma em 2010 e 2014. Entretanto, acho que nesse momento a candidatura do Lula desserve a ele e ao país. Na melhor das hipóteses, ganha e projeta essa confrontação odienta que está rachando o país. Mas a probabilidade de polarizar e perder é muito alta”.

Ao comentar prováveis acordos com o PT, disse: “A natureza do PT, e é legítimo isso, é ter candidato próprio. Talvez o ideal fosse apresentar uma nova liderança. Serei bastante categórico: não serei vice de ninguém”.

Para Ciro Gomes, Bolsonaro presta um serviço ao país, “pois esse eleitorado do antipetismo se concentrava todo no PSDB”.

A metralhadora giratória de Ciro se volta para o Palácio do Planalto: “Ele (Temer), para além de ser essa coisa constrangedora de chefe de quadrilha, sendo um velho e notório malversador de dinheiros públicos, virou chefe de um governo de patetas”.

Ciro criticou ainda o que ele chama de “exibicionismo midiático” do Juiz Sérgio Moro: “Ir ao Facebook agradecer o apoio de todos, as gravatinhas borboletas em todo tipo de solenidade, a confraternização descuidada com possíveis réus, a fraude com a gravação da presidente [divulgação do grampo de ligação entre Dilma e Lula] –o que nos EUA é considerado traição e gera até pena de morte, só para ter a relativização dessa leviandade. Isso tudo semeia a semente de matar essa coisa importante que seria a Lava Jato, que ainda pode ser o momento de virada na impunidade”.

Ainda sobre Moro, criticou a condução coercitiva de Eduardo Guimarães: “Mandar prender um blogueiro, tem uma coisa patológica nisso. Não falo com prazer, falo com dor. Operação Satiagraha? Anulada inteira. Daniel Dantas, culpado de tudo? Tá com atestado de inocente”.

E completou que “Desta vez foi um blogueiro, mas amanhã pode ser um repórter da Folha. Não está certo. No momento que o país passa por um golpe de Estado, não podemos nos acovardar diante do autoritarismo”.

Ao comentar sobre o prefeito e São Paulo Ciro disse: “Conheço Doria de longuíssima data. O antipolítico, o empresário… Tem dois probleminhas básicos [nessa imagem]. Doria foi chefe da Embratur no governo Sarney. Saiu debaixo de muitas irregularidades no Tribunal de Contas da União e foi violentamente criticado por uma propaganda do turismo brasileiro com bundas de mulher na praia, estimulando claramente o turismo sexual. A segunda coisa: Doria reforçou muito a grande fortuna dele, do liberal, com dinheiro público dos governos do PSDB de Minas e SP, por exemplo”.

Por fim, ai responder se recuaria com Lula no páreo, disse não ter a menor vontade de ser candidato se o Lula for. “Menos em homenagem a ele e mais porque a tendência é ele polarizar o processo. E eu ficar falando de modelo econômico… Vou ter um papel nobre, vou lá para meus 12%, 15% no mínimo, mas daí dizer para o povo que acredito que vou ser presidente… Não consigo mentir desse jeito”.

 



No artigo

x