Motel de Brasília cria o quarto Lava Jato pra satisfazer fetiche dos clientes

"A nossa proposta era fazer uma cela sofisticada para que o ato de amor fosse dentro de ambiente especial, um fetiche né?!", explica a arquiteta que assina o projeto. Alguns clientes, no entanto, diante das fotos de Cunha e Dallagnol entre outros, reclamaram: “como...

862 0

“A nossa proposta era fazer uma cela sofisticada para que o ato de amor fosse dentro de ambiente especial, um fetiche né?!”, explica a arquiteta que assina o projeto. Alguns clientes, no entanto, diante das fotos de Cunha e Dallagnol entre outros, reclamaram: “como vou ter tesão com esse pessoal na parede?”

Da Redação com Informações da Folha

Inaugurada há cerca de três meses, a suíte número oito do motel Altana, que produz ambientes temáticos para atrair público, tenta criar o ambiente da Lava Jato para satisfazer fetiches dos clientes.

O frequentador que quiser e puder vai namorar cercado por grades na porta e em volta da cama, além de ilustrações de presos comuns ao lado de engravatados. Para inspirar os casais o quarto conta também com notícias que estampam fotos de investigados, como os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, além do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), detido em Curitiba.

Motel3

Até o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força tarefa da Lava Jato no Paraná, também está retratado na parede.

Antes de chegar ao quarto, o cliente passa por uma entrada com paredes revestidas de cimento, grades e recortes de reportagens sobre envolvidos na operação, remetendo à prisão.

O valor de duas horas no local varia de R$ 126 a 156, conforme o dia da semana.

Motel2

“A nossa proposta era fazer uma cela sofisticada para que o ato de amor fosse dentro de ambiente especial, um fetiche né?!”, explica a arquiteta Cristina Bertozzi, que assina o projeto e já decorou mais de 150 suítes de motéis de Brasília e Rio de Janeiro.

“Mediante os acontecimentos, essa Lava Jato na orelha da gente há mais de dois anos, unimos [na decoração] a parte dos crimes, de corrupção e da cela”, disse.

O ambiente, porém, já despertou algumas reclamações. “As pessoas falaram ‘como vou ter tesão com esse pessoal na parede?’ Mas não é para ter tesão aqui, é uma transição até o quarto. A ideia é proporcionar essa entrada para a pessoa entender que é uma cela e lá dentro usufruir do luxo”, explicou Cristina.

Motel 1

Ao chegar ao quarto, o cliente se depara com lustres de cristal, móveis cobertos por pele de crocodilo sintética, papel de parede com simulação de couro, espelhos com bordas douradas “para remeter a ouro, riqueza” e uma banheira de hidromassagem.

Na parede, mais grades, desta vez, separando o ambiente interno da imagem da Torre Eiffel, cartão-postal de Paris. “Colocamos essa imagem porque Paris reflete uma sofisticação grande, é um lugar aquecido, de requinte”, disse Cristina.

Segundo ela, a imagem do cartão postal da França foi escolhida porque se fosse uma foto dos Alpes Suíços, por exemplo, “teria gente que não entenderia a proposta de que o espaço reproduz uma prisão de luxo”.

Segundo a arquiteta, os quartos inspirados em países são uma tendência ultrapassada e “agora o estabelecimento quer apostar na temática de uma característica para o cliente desenvolver o fetiche [de presidiário]”.

Apesar do apelo, o quarto da Lava Jato ainda não é a preferência número um dos clientes, mas a gerente Célia Regina Borges diz que as pessoas estão conhecendo o espaço e que quem experimenta elogia: “Falam que ficou muito bonito, sofisticado”.

Segundo o motel, o investimento para a reforma da suíte foi de R$ 15 mil. Questionada se acredita que os presos da Lava Jato têm algum desses luxos na prisão, Cristina diz: “eles até gostariam, mas não merecem”.

 



No artigo

x