Condenação de Cunha pode acelerar a queda de Michel Temer

A delação premiada de Cunha poderá atingir em cheio Michel Temer e diversos Ministros de seu governo Por Álvaro Maciel...

1018 0

A delação premiada de Cunha poderá atingir em cheio Michel Temer e diversos Ministros de seu governo

Por Álvaro Maciel

O que o povo brasileiro tanto esperava aconteceu, o ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, foi condenado no dia 30/03/2017 a 15 anos e quatro meses de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A Condenação de Cunha comprova judicialmente que Dilma foi perseguida e golpeada por um forte esquema corrupto, através de uma trama espetacular, cujo desdobramento foi semelhante a capítulos de novela, com textos e argumentos ridículos. Um episódio que apunhalou a democracia brasileira.

Cunha, como presidente da Câmara, atuou como “chefe todo poderoso” de uma quadrilha que se uniu para instaurar a insegurança política que até hoje permeia o país. Suas obstruções às pautas do governo e o uso intermitente das pautas bombas, serviram para tumultuar e inviabilizar a gestão da presidenta de Dilma Rousseff. Assumiu o papel central para o enfraquecimento de um governo legítimo e democrático. Conduziu a operação ardilosa e criminosa para criar o clima favorável ao golpe, concluído em 2016, após a condenação e afastamento definitivo de Dilma de suas funções presidenciais.

Cunha não agiu sozinho, ao contrário, criou uma rede de influência no âmbito do Congresso Nacional, que envolveu e envolve não sós os deputados e senadores, mas representantes dos diversos segmentos empresarial e financeiro, cujos nomes ainda não foram totalmente revelados para a sociedade.

O golpe parlamentar que derrubou Dilma teve como principal motivação o seu sentimento de vingança, diversas vezes por ele externado. A aceitação do pedido de Impeachment foi uma cruel contrapartida contra a investigação aberta contra ele. Um revanchismo esdrúxulo.

Com o tempo e os fatos o povo brasileiro passou a entender melhor o que representou aquele processo de golpe contra a democracia brasileira. Hoje o Brasil vive o amargo sofrimento de seu povo, um duro resultado da substituição abrupta de Dilma Housseff por Michel Temer.

Temer se aliou e se alinhou ao PSDB quando aceitou do partido a missão de fazer avançar uma ambiciosa agenda de reformas neoliberais. Essa é a mais evidente e também a pior marca do seu governo. A aliança PMDB/PSDB, que conta com os partidos menores que orbitam em seu entorno, criou uma força conservadora no Congresso, tão avassaladora, que pode aprovar com extrema facilidade as propostas reformistas encaminhadas pelo Executivo ou de inciativa dos próprios parlamentares.

Nunca se viu tanta celeridade na tramitação e aprovação de propostas como a PEC da Morte. Havia, naquele momento, muita dúvida no Congresso e muita pressão popular contrária à PEC e, mesmo assim, o governo conseguiu uma vitória folgada e sem nenhuma emenda. Essa coesão do Legislativo com o Executivo, com perfil reacionário, é de fato assustadora e perniciosa. Jamais devemos esquecer que essa coalisão neoliberal poderosa foi implantada a partir da atuação de Eduardo Cunha à frente da Câmara e se manteve após a eleição de Rodrigo Maia.

Após a aprovação da PEC do Fim do Mundo muita gente que achava que não era golpe passou a entender a gravidade da dura realidade vivemos no Brasil. Com o passar do tempo até os “coxinhas” recuaram. Mesmo as pessoas que não gostam de política ou, simplesmente, evitam discutir assuntos relacionados ao Planalto, passaram a entender a importância estratégica que têm os cargos de presidente da Câmara e presidente do Senado. Aos poucos ficou evidente para o povo brasileiro que as duas Casas participaram do golpe parlamentar que arruinou o país.

Não se sabe ainda o que há por trás dessa grande composição de forças políticas de direita, organizada para sustentar a agenda neoliberal, sob o comando de o presidente Michel Temer nem que acordo fora firmado. Também não sabemos quem são, exatamente, dos envolvidos. Todavia, pode-se concluir que a classe trabalhadora é a que mais está perdendo e sofrendo.

A operação Lava Jato, cujo objetivo é o combate à corrupção, blindou o PSDB e, ainda por cima, revelou um efeito colateral caro demais à economia do país. Ela mergulhou o país numa grande instabilidade política e econômica, que por sua vez abre um enorme espaço para se efetivar no país uma agenda para o avanço do projeto neoliberal. Logo, temos aí algumas pulgas atrás da orelha do povo. Vivemos um mar de dúvidas e incertezas.

A condenação de Eduardo Cunha trouxe novamente à tona a discussão sobre o processo de impeachment contra a presidenta Dilma, já que ficou comprovada na Justiça sua participação em diversos crimes e que usava o cargo de presidente da Câmara para tentar se livrar das investigações. Essa é apenas a primeira condenação. Ela abre caminho para outras e enfraquece ainda mais o presidente Temer, pois, aumenta a instabilidade política no Planalto e realça as muitas dúvidas sobre sua ascensão à Presidência da República. O risco de Cunha não chegar ao final de seu mandato cresce gradativamente.

Michel Temer pode estar prestes a cair? Temos elementos para responder que sim. Primeiro por que sempre teve sua legitimidade contestada. Segundo por que parece estar muito próximo de acontecer uma fusão tácita entre os movimentos sociais, que seria a junção dos movimentos que apoiam o combate à corrupção com os movimentos dos que lutam pela manutenção dos direitos trabalhistas, previdenciários e sociais. Uma fórmula fatal ao governo Temer. Em terceiro está os efeitos da delação premiada de Cunha, que poderão atingir em cheio Michel Temer e diversos Ministros de seu governo. Provavelmente, Temer cairá antes de dezembro de 2017.

Os artigos desta seção não refletem necessariamente a opinião da Fórum. Participe, envie seu artigo para redacao@revistaforum.com.br (escreva Fórum Debate no assunto da mensagem).



No artigo

x