Emílio Odebrecht: “Por que não fizeram isso há 10, 15, 30 anos?”

Segundo “patriarca” de construtora alvo da Lava Jato, “imprensa toda sabia” que práticas hoje consideradas criminosas eram um “negócio institucionalizado” no país. “Agora fica com essa demagogia”, disse em depoimento Por RBA...

528 0

Segundo “patriarca” de construtora alvo da Lava Jato, “imprensa toda sabia” que práticas hoje consideradas criminosas eram um “negócio institucionalizado” no país. “Agora fica com essa demagogia”, disse em depoimento

Por RBA

O empresário Emílio Odebrecht, ao qual analistas e imprensa se referem como “patriarca” da empreiteira considerada um dos grandes alvos da Operação Lava Jato, afirmou em depoimento a procuradores da República, em Brasília, que a mídia sempre soube dos fatos hoje denunciados como escândalo. Ele manifestou perplexidade e “tristeza” com a dimensão dada às revelações, que, graças aos elos estabelecidos com a Petrobras, serviram de combustível para o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e continua a alimentar a crise política.

“O que me entristece (…) é que a imprensa toda sabia que efetivamente o que acontecia era isso. Por que agora estão fazendo isso? Por que não fizeram isso há 10, 15, 30 anos?”, questionou Odebrecht. “A imprensa sabia disso e agora fica com essa demagogia.”

Segundo ele, as informações divulgadas a partir das investigações da Força Tarefa estão longe de ser novidade e são conhecidas de políticos, empresários e imprensa há 30 anos.

“O que me surpreende é quando vejo todos esses poderes, até a imprensa, todos como se fosse uma surpresa. Me incomoda isso. Não exime em nada nossa responsabilidade. Não exime em nada nossa benevolência. Não exime em nada que nós praticamente passamos a olhar isso com normalidade. Porque em 30 anos, é difícil não ver isso como normalidade”, disse Odebrecht. De acordo com o depoimento do empresário, as práticas que hoje são sinônimo de crime eram um “negócio institucionalizado” no país.

Iniciada em março de 2014, a Lava Jato é considerada por diversos analistas um catalisador da grave crise econômica e política brasileira e responsável por iniciar a destruição da indústria naval do Brasil.

Memória técnica

Em seminário realizado em São Paulo ainda no final de 2014, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo já alertava para os riscos de se comprometer os investimentos no país, fundamentais para a então esperada retomada de um crescimento econômico a médio prazo. “Tem de separar as malfeitorias e punir. Tem de substituir a direção das empresas e preservá-las. Porque não se vai reinventar de repente uma grande construtora que participou, por exemplo, de Itaipu e outras grandes obras. Você não vai substituir a memória técnica dessas empresas por outra que se vai inventar na hora”, afirmou na ocasião.

A destruição da indústria naval brasileira começou com a Operação Lava Jato em 2014. No segundo mandato do governo Dilma Rousseff, o setor empregava 83 mil trabalhadores. Depois da crise, com o agravamento da recessão, são pouco mais de 30 mil.

Em debate na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, há um ano, o jurista Gilberto Bercovici e o jornalista Luis Nassif também discutiram o tema com abordagem semelhante. “Ninguém é contra combater a corrupção, mas não se pode violar direitos e garantias individuais, nem se pode punir empresas no lugar de punir pessoas”, afirmou Bercovici, professor de Direito Econômico da Universidade de São Paulo (USP), no evento.



No artigo

x