Professor branco diz que obra de Carolina Maria de Jesus não é literatura e provoca embate no RJ

Em homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus, tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica, professor disse que ela não faz literatura. Sua obra, “Quarto de Despejo”, é leitura obrigatória...

1455 0

Em homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus, tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica, professor disse que ela não faz literatura. Sua obra, “Quarto de Despejo”, é leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp

Por Redação

A Academia Carioca de Letras promoveu, na última segunda-feira (17), uma homenagem a Carolina Maria de Jesus, ex-catadora, moradora de favela, que na década de 60 ficou conhecida mundialmente ao lançar o livro “Quarto de despejo”.

O que era para ser uma homenagem, no entanto, tomou contornos de embate por conta da fala do aclamado professor de literatura Ivan Cavalcanti Proença, que disse que a obra de Carolina não pode ser considerada literatura.

Em sua fala, Proença argumenta que a obra de Carolina Maria de Jesus tinha mais características de um diário e que, o diário que não é ficcional, não carrega literatura. “É o relato natural e espontâneo de uma pessoa que não tinha condições de existir por completo”, afirmou. Ele ainda completou: “Ouvi de muitos intelectuais paulistas: ‘Se essa mulher escreve, qualquer um pode escrever'”.

Na homenagem, estava presente a poeta negra Elisa Lucinda, que protestou.

“Desculpe, Ivan, mas é literatura sim! Eu não gosto de música sertaneja, mas não posso dizer que não é música”, afirmou, usando ainda trechos da obra de Carolina para comprovar a literatura presente em suas palavras. “Diga ao povo brasileiro que eu queria ser escritora, mas não tinha dinheiro para comprar um editor” e “Quem inventou a fome são os que comem” foram os trechos citados.

Carolina Maria de Jesus é tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica do país. “Ela é a mais necessária e visceral flor do lodo”, escreveu, sobre Carolina, Carlos Drummond de Andrade. Quem também enxergava literatura na ex-catadora era Clarice Lispector, que foi ao lançamento de seu livro. Para Clarice, Carolina escrevia “de verdade”.

No início deste mês a Unicamp anunciou que “Quarto de despejo”, de Carolina Maria de Jesus, será leitura obrigatória no vestibular de 2018.

 

 



No artigo

x