Erundina denuncia que Doria quer acabar com brinquedotecas, sala dos professores e de informática nas escolas

“Apelo a sua Excelência que desista dessa decisão injusta e perversa com nossas crianças e educadores, e que atenta contra uma educação moderna e de qualidade na maior cidade do país”, afirmou a deputada Por...

524 0

“Apelo a sua Excelência que desista dessa decisão injusta e perversa com nossas crianças e educadores, e que atenta contra uma educação moderna e de qualidade na maior cidade do país”, afirmou a deputada

Por Luiza Erundina*, em seu Facebook

Apelo ao Prefeito João Dória

Não posso, nem devo calar diante do absurdo que está para ocorrer na rede pública municipal de ensino infantil de nossa cidade. Custa acreditar que seja verdade.

Noticia-se que a atual gestão pretende acabar com as brinquedotecas, salas de leitura, salas de informática, e a sala dos professores, para incorporar os milhares de crianças de 4 e 5 anos que ainda estão fora da escola.

Ao invés de construir novas e modernas escolas, e de melhorar as que existem, aumenta excessivamente o número de crianças em cada sala de aula, o que comprometerá a qualidade do processo de ensino-aprendizagem, e tornará insuportável, não só para os alunos, mas também para as condições de trabalho dos professores(as).

Brinquedotecas, salas de leitura e salas de informática não são supérfluos, mas equipamentos indispensáveis à educação moderna e de qualidade de nossas crianças. Nem muito menos são um luxo para os filhos(as) dos pobres, mas um direito, a duras penas conquistado, pelos que lutam e defendem a educação como um dos direitos sociais fundamentais constantes do artigo 6 da Constituição Federal.

Paulo Freire, quando Secretário Municipal de Educação de São Paulo, há quase trinta anos, introduziu o ensino de informática nas nossas escolas. Além de colocar micro-computadores em cada escola, contratou a Unicamp para criar um programa específico de inclusão digital dos alunos, e que se integrasse ao currículo escolar, porque, dizia ele, que não queria que o ensino da informática se desse de forma mecânica e, portanto, desligado do processo didático-pedagógico.

Se ainda estivesse entre nós, certamente, também protestaria contra essa medida absurda do atual prefeito.
Portanto, apelo a sua Excelência que desista dessa decisão injusta e perversa com nossas crianças e educadores, e que atenta contra uma educação moderna e de qualidade na maior cidade do país.

* Luiza Erundina (PSOL-SP) é deputada federal 

Foto: Agência Câmara



No artigo

x