Promotor de Justiça censura jornal e escolhe manchete contra greve

Antônio Domingues Farto Neto é membro de uma entidade mantenedora do Cruzeiro do Sul e obrigou jornalistas a fazerem matéria crítica à paralisação de 28 de abril; ele próprio escolheu a manchete Por Redação...

514 0

Antônio Domingues Farto Neto é membro de uma entidade mantenedora do Cruzeiro do Sul e obrigou jornalistas a fazerem matéria crítica à paralisação de 28 de abril; ele próprio escolheu a manchete

Por Redação

O promotor de Justiça da Vara da Infância e Juventude de Sorocaba (SP), Antônio Domingues Farto Neto, está sendo acusado de censurar e pautar a edição do jornal Cruzeiro do Sul um dia após ocorrer a greve geral convocada pelas centrais sindicais em todo o país em 28 de abril. Neto é membro do Conselho Consultivo da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA), entidade mantenedora do veículo.

A denúncia foi feita pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP). De acordo com o portal Comunique-se, o promotor agrediu verbalmente os profissionais da casa, afirmando que o êxito da greve geral era responsabilidade da cobertura que o Cruzeiro do Sul vinha fazendo.

Ele teria dito que precisava “limpar o desserviço feito” e criar uma “agenda positiva”, valorizando o trabalho da Polícia Militar de São Paulo e da Guarda Civil Municipal de Sorocaba. A decisão tomada, então, foi de que Farto Neto definiria as fontes a serem entrevistadas e a manchete do dia seguinte, que ficou sendo “Paralisação prejudica o trabalhador sorocabano”.

Leia a seguir o comunicado publicado pelo SJSP sobre o assunto:

Diante dos fatos denunciados, o SJSP-Regional Sorocaba lamenta profundamente que um promotor de Justiça, um homem público e com papel de grande responsabilidade na sociedade, se preste ao papel de intimidar profissionais da imprensa.

O SJSP-Regional Sorocaba lamenta também que o coronel Antônio Valdir Gonçalves Filho, do CPI/7, e o secretário de Segurança e Defesa Civil, José Augusto de Barros Pupin, tenham sido coniventes com o assédio moral aos jornalistas.

O SJSP-Regional Sorocaba lamenta que membros da Fundação Ubaldino do Amaral, instituição que tanto se orgulha de promover assistência social em nosso município, tenham praticado e presenciado tamanho desrespeito à liberdade de imprensa.


O SJSP-Regional Sorocaba lamenta que a credibilidade do centenário jornal Cruzeiro do Sul seja prejudicada por essa irresponsável e criminosa atitude e cobra um posicionamento da direção, pois acredita que a sociedade sorocabana e da região tem o direito de saber se teremos um veículo chapa-branca ou se teremos um veículo comprometido com o bom fazer jornalístico, que apura os fatos com isenção política e apresenta os diversos pontos de vista sobre as ocorrências.


Por último, o SJSP-Regional Sorocaba parabeniza o corpo de profissionais de imprensa e o editor-chefe por terem se mantido ao lado do bom fazer jornalístico e do compromisso com a sociedade em veicular informações condizentes com a realidade, mesmo diante de grande assédio e pressão. Parabenizamos a coragem dos jornalistas que não compactuaram com a interferência política violenta e que desde o dia 29 de abril não assinam expediente e matérias no jornal Cruzeiro do Sul.


O SJSP-Regional Sorocaba reconhece também a posição ética e comprometida do diretor-presidente José Augusto Marinho Mauad (Gugo), que desde o dia 29 de abril assina o jornal como diretor-presidente licenciado.


O SJSP-Regional Sorocaba está acompanhando o desenrolar dos fatos dentro do jornal Cruzeiro do Sul e está tomando as medidas necessárias para preservar o emprego e a integridade dos profissionais de imprensa.


O SJSP-Regional Sorocaba espera que esse triste episódio possa ser elucidado, se colocada a disposição das autoridades acima mencionadas para esclarecimentos dos ocorridos e que a FUA tenha a compreensão de preservar os profissionais do jornal e se mantenha ao lado do bom fazer jornalístico.


É fato que a credibilidade do jornal Cruzeiro do Sul está nas mãos dos jornalistas que, sendo o elo mais fraco na relação empregador-empregado, tiveram a coragem de se posicionar contra um feroz ataque à liberdade de imprensa.


Por fim, a sociedade sorocabana está ciente da crise ética instalada no jornal e, conforme o andamento, todos saberão se o Cruzeiro do Sul será um jornal chapa-branca, a serviço de apenas um grupo político e social, ou um jornal a serviço da sociedade.


Diretoria da Regional Sorocaba do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP).

Foto: Reprodução



No artigo

x