Alencar Santana: Ou Moro assume perseguição ou absolve Lula

“Moro, mesmo esperando um duro encontro, não imaginou a desenvoltura do interrogado e, por vezes, apelou e foi calado por argumentos”. Leia no novo artigo do deputado estadual Alencar Santana Braga Por Alencar Santana...

1303 0

“Moro, mesmo esperando um duro encontro, não imaginou a desenvoltura do interrogado e, por vezes, apelou e foi calado por argumentos”. Leia no novo artigo do deputado estadual Alencar Santana Braga

Por Alencar Santana Braga *

O 10 de maio entrou para a história da luta pela democracia brasileira.

No dia do depoimento do ex-Presidente Lula ao Juiz Sérgio Moro a capital paranaense viu a força não só da liderança de Lula, mas também da militância petista, dos movimento sociais e trabalhistas, bem como dos setores progressistas da esquerda brasileira e de pessoas, de todo o país e sem ligação partidária, mas dispostas a defender a justiça e a verdade que, em solidariedade a Lula, foram até a Curitiba, aos milhares.

Por longas cinco horas, frente a frente, Lula foi tranquilo e defendeu seu legado e a verdade dos fatos, respondendo as perguntas com serenidade e denunciando o grande complô entre parte do judiciário, elites rentistas, Rede Globo e grandes veículos monopolistas de comunicação, para dar continuidade ao Golpe que destituiu a Presidenta eleita Dilma e agora tenta, a todo custo, colocar Lula na cadeia.

Lula, o todo tempo, pediu ao juiz provas e documentos, comprovando sua ligação com os motivos que o tornaram réu na Operação Lava Jato e mostrou aos procuradores e a Moro pleno conhecimento do processo e sua disposição em apresentar os verdadeiros fatos e desfazer a mentira. Mostrou também o quanto foi o Presidente que mais fez pelo combate à corrupção e pelo Brasil, governando para o povo e mostrando o quanto o país poderia se desenvolver com base em uma economia popular.

Moro, mesmo esperando um duro encontro, não imaginou a desenvoltura do interrogado e, por vezes, apelou e foi calado por argumentos.

A própria imprensa brasileira ficou perdida, tanto que, mesmo com a liberação das gravações do depoimento logo após o seu término, os grandes jornais não conseguiram, no dia seguinte, estampar notícias contundentes contra Lula.

O depoimento de Lula entra para a história não apenas por isso, por sua desenvoltura, mas por ter desvelado a trama de Moro e sua turma, usando o argumento de um suposto triplex para perseguir uma pessoa como nunca outra foi perseguida pela justiça e pela imprensa brasileiras, ignorando outras dezenas de pessoas acusadas de envolvimento diretamente com a corrupção, e diversos casos com evidências mais claras e até provas, ligando deputados, lideranças, senadores, governadores e ex-governadores, muitos do PSDB, como Beto Richa, Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin. Este último, com o envolvimento do próprio cunhado que, segundo delatores, buscou dinheiro da propina em espécie.

Se Moro apreendeu a lição de direito, poderia honrar a faculdade de direito da universidade federal do Paraná, onde dá aula e por coincidência foi o local da grande e bela manifestação desta quarta-feira à favor de Lula, e absolver o ex-presidente injustamente acusado conforme determinam os princípios de direito e da justiça.

O 10 de maio em Curitiba entra para a história como mais um dia de resistência da democracia brasileira frente ao golpe e demonstração da força do povo e de Lula, pronto para provar sua inocência e testar, novamente, sua capacidade de apresentar um Programa para o Brasil e vencer as eleições de 2018.

* Alencar Santana Braga é Deputado Estadual e Líder do PT na Alesp



No artigo

x