Coordenador do MBL chama doador de R$ 1.500 para campanha de Holiday de imbecil

Pelos registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 30 de setembro do ano passado, há apenas uma doação de R$ 1.500 feita por um engenheiro paulistano de 75 anos. Da Redação*...

406 0

Pelos registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 30 de setembro do ano passado, há apenas uma doação de R$ 1.500 feita por um engenheiro paulistano de 75 anos.

Da Redação*

De acordo com matéria da Folha de São Paulo, de Rogério Gentile e Rogério Pagnan, Renato Battista, coordenador do MBL (Movimento Brasil Livre), chamou de “imbecil” um doador que destinou R$ 1.500 para a campanha de Fernando Holiday, eleito vereador em São Paulo pelo DEM, no ano passado.

A gravação foi obtida pela reportagem da Folha.

“Acabei de tirar extrato do banco e estou indo para o escritório para terminar a prestação de contas. Aparentemente um imbecil doou mais R$ 1.500 no dia 30. A gente está com quase R$ 12 mil sobrando”, afirma Battista, numa mensagem de WhatsApp.

A mensagem foi gravada em 3 de outubro, dia seguinte à eleição, e enviada para o grupo “Estratégia Holiday”, formado por seis líderes do comitê de campanha, entre os quais o próprio candidato.

Battista é um dos principais integrantes do MBL, sendo um dos apresentadores de um programa exibido no youtube chamado “MBL News”. Costuma se referir ao vereador Holiday como um representante da “nova política”.

Pela gravação é possível inferir que Battista, hoje assessor parlamentar de Holiday, estava contrariado com o fato de que a doação feita no dia 30 de setembro atrapalhava o discurso de que Holiday se elegeu gastando apenas um real por voto obtido.

“Acho que… bom… a gente vai discutir isso, mas acho que não deve gastar tudo. (…) porque, se não, vai passar de um real por voto. Eu prefiro ficar com a narrativa”, afirmou Battista ao grupo.

Aos 20 anos, Holiday foi o 13º vereador mais votado em São Paulo, com 48.055 votos. Sua campanha obteve R$ 59,1 mil, em 37 doações. As despesas somaram R$ 52,5 mil.

Pelos registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 30 de setembro do ano passado, há apenas uma doação de R$ 1.500 ao candidato. Ela foi feita pelo engenheiro paulistano Raul Fernando Ghediani, 75, que não foi localizado pela reportagem para comentar o assunto.

Battista confirmou ter participado da arrecadação de campanha do vereador, mas não concedeu entrevista sobre a gravação. Procurado, o parlamentar disse que a reportagem tem o objetivo de atacá-lo.

A Folha encaminhou a gravação a dois peritos. Ambos atestaram que é a voz do assessor. Um deles, Ricardo Molina, da Unicamp, diz ser difícil não ser a voz do rapaz.

“Diante de tudo o que foi analisado, conclui o perito signatário que, com muito baixa probabilidade de erro, a voz questionada é a voz do senhor Renato Battista, com base em diversos critérios fonéticos e fonológicos.”

Já a análise pericial realizada pela advogada Roselle Soglio, do escritório Soglio Advocacia e Consultoria, com um software norte-americano, indica uma convergência de 92% entre as vozes.

A gravação na qual o assessor chama o doador de imbecil foi comparada aos áudios obtidos durante entrevista no gabinete do vereador e, ainda, aos de três vídeos do MBL postados na internet em que Battista é um dos âncoras.

“Acima de 70% você pode inferir que é a pessoa. Quando se tem acima de 85%, você tem um grau de alta probabilidade, que é o caso”, disse ela. “É impossível ele negar que essa voz não é dele.”

ARRECADAÇÃO

Localizado pela Folha no mês passado no gabinete de Holiday, Battista confirmou ter participado da arrecadação de campanha do vereador e, na sequência, também concordou em conceder entrevista sobre o assunto.

A conversa, porém, foi logo interrompida pelo chefe de gabinete do vereador, Marcelo Aguiar de Castro, que solicitou que as questões fossem enviadas por e-mail.

Battista tentou se explicar. “Eu nunca dei entrevista, assim, por isso eu não sabia [que não poderia falar].”

A reportagem comprometeu-se em encaminhar as questões por escrito, mas solicitou ao assessor que ouvisse o áudio – para que reconhecesse a própria voz. Ele ouviu, mas não respondeu. “Só por e-mail”, disse.

O áudio foi repetido quatros vezes, e, em todas, Castro tentou evitar que Battista confirmasse a autoria da fala.

“Não [vou deixá-lo responder]. Porque ele é meu funcionário. Ele está cumprindo minhas ordens”, disse Castro à reportagem.

O e-mail enviado a Battista, ainda no dia 26 passado, não foi respondido.

Procurado, o vereador Holiday não quis falar com a Folha. Manifestou-se apenas por meio de uma nota, na qual classificou o assunto como de menor importância. “Tanta coisa importante na cena política, e a Folha preocupada em criar fatos sobre um áudio descontextualizado para me atacar através de um assessor que já foi advertido à época, explica o descrédito da grande imprensa perante o povo.”

*Com informações da Folha

Foto: Divulgação/DCO/SUPCEV

Na foto: Kim Kataguiri, membro do MBL; Battista; Eng. Vinicius Marchese, presidente do Crea-SP; e Holiday



No artigo

x