Entre a denúncia e a vingança

Confira na coluna de Adriana Dias: “Há que se separar a denúncia, essa sim, homologada por delação premiada e a vingança política. A vingança política deve ser punida. Não apenas como comunicação falsa de...

277 0

Confira na coluna de Adriana Dias: “Há que se separar a denúncia, essa sim, homologada por delação premiada e a vingança política. A vingança política deve ser punida. Não apenas como comunicação falsa de crime. Porque pode destruir o país. Entre a denúncia e a vingança, estamos todos na luta pelo Brasil. #FORATEMER”

Por Adriana Dias*

O país entrou no apocalipse político. A terra de Brasília tremeu. Deputados, senadores, assessores e afins passaram dias entre web, zaps, advogados e esperança de uma passagem pro Havaí. Ou para um lugar sem possibilidade de extradição. Os áudios foram vinculados, o ministro Edson Fachin manda prender um grupo de pessoas e abre inquérito contra Temer e Aécio, os mentores do golpe. A casa caiu para os golpistas. A imprensa se divide. Uma parte não quer mais ter nada com eles, outra tenta defendê-los, e lembra que há delações contra o PT .

Sim, há. Mas, sem as provas como há contra Temer e Aécio. Sem o “pelo amor de Deus Aécio, para de me pedir dinheiro”. O ministro Guido Mantega disse que afirmou que a delação de Marcelo Odebrecht é ficção, uma vingança, por ele ter vetado projetos de lei de interesse da empresa. Há a delação e há a vingança? A PF e a Lava Jato investigam essa possibilidade?

A JBS foi a primeira ou a segunda, depende do que se computa como doação, diante das diversas delações, doadora de Aécio. Ela diz que mantinha uma conta operada pelo Mantega e que Dilma e Lula sabiam. Ele precisa provar que Mantega operava. Depois que Lula e Dilma sabiam. É muito diferente do caso Temer e Aécio: nesse último há provas, áudios, filmes.

Lula é acusado de ter um apartamento na praia comprado com dinheiro ilícito desde 1982. Nunca se achou provas, abrindo sigilo bancário, telefônico e fiscal do ex-presidente. Apenas se denuncia, denuncia e se denuncia. Tudo para manchar o nome de Lula. Parece apenas vingança de quem nunca aceitou um operário no poder.

Há que se separar a denúncia, essa sim, homologada por delação premiada e a vingança política. A vingança política deve ser punida. Não apenas como comunicação falsa de crime. Porque pode destruir o país. Entre a denúncia e a vingança, estamos todos na luta pelo Brasil. #FORATEMER

*Adriana Dias é bacharel em Ciências Sociais em Antropologia,Mestre e Doutoranda em Antropologia Social – tudo pela UNICAMP. É coordenadora do Comitê “Deficiência e Acessibilidade” da Associação Brasileira de Antropologia, e coordenadora de pesquisa tanto no Instituto Baresi (que cria políticas públicas para pessoas com doenças raras) quanto na ONG ESSAS MULHERES (voltada à luta pelos direitos sexuais e reprodutivos e ao combate da violência que afeta mulheres com deficiência). É Membro da American Anthropological Association,e foi membro da Associação Brasileira de Cibercultura e da Latin American Jewish Studies Association.

Foto: Lula Marques/Agência PT



No artigo

x