Apertem os cintos, o estado de direito sumiu: violação aos direitos num voo da Avianca

Teria o voo 6237 da Avianca, que partiu de Brasília rumo ao Rio de Janeiro, sido alvo de vigilância da Polícia Federal sem que nenhum dos passageiros tenham sido informado disso? A Avianca confirmou...

1546 2

Teria o voo 6237 da Avianca, que partiu de Brasília rumo ao Rio de Janeiro, sido alvo de vigilância da Polícia Federal sem que nenhum dos passageiros tenham sido informado disso? A Avianca confirmou que solicitou, sim, a presença da PF. Confira a atualização com a nota da empresa 

Por Lúcia Capanema, no Bem Blogado 

Sábado, 03 de junho, às 19:05, maioria dos passageiros do voo 6237, Avianca, provindo do 6º Congresso Nacional do Partido dos Trabalhadores. Embarque encerrado, adentra a aeronave um senhor de seus 40 anos, terno preto, camisa branca, gravata preta, que se dirige rapidamente até a poltrona 21A, na última fileira, para interpelar o passageiro: “Quem é o líder? Quem é que está organizando aqui? Ao que o passageiro responde: “Aqui não tem líder, não. Ninguém é chefe de nada”. Mais uma vez: “Quem é que manda aqui? Entrega logo que vai ser melhor para você!”, ameaçou o engravatado. Novamente, veio a resposta: “Aqui não tem líder, não. Todo mundo aqui é dirigente”.

A sombria figura segue, então, a passos largos para a cabine do comandante, para onde obtém pronto acesso, e por lá fica cerca de cinco a oito minutos, a portas fechadas. Quando finalmente sai dali e da aeronave, são iniciados os trabalhos de decolagem. Tão logo pousamos no Rio, o comissário de bordo da foto acima começa a gravar, com celular, os passageiros .

Já na saída, quando passo pelos comissários que se postam à porta frontal do avião, pergunto: “Podemos saber porque o comissário lá do fundo está nos filmando?” A pronta resposta da aeromoça: “A pedido do comandante, senhora”. Fui mais além: “A mando do policial federal que aqui estava antes do voo?”. E ela: “Sim, senhora”.

Configurou-se, assim, uma cena absurda, constrangedora, típica de um estado de exceção. Vamos exigir da companhia aérea Avianca um esclarecimento a respeito desta presença enigmática em sua aeronave. Sob qual pretexto entra no avião um agente policial à paisana (se confirmada a declaração da comissária de bordo) e, sem se identificar, submete um passageiro a interrogatório sumário? Sob que ordens a companhia constrangeu seus passageiros, filmando-os sem permissão? Para fornecer informações a um órgão de vigilância?

Atualização da Fórum 

Questionada pela reportagem da Fórum sobre os fatos relatados no depoimento, a Avianca enviou uma nota oficial em que afirma que Polícia Federal foi solicitada na aeronave após a tripulação “detectar um tumulto a bordo”, e informou que “repudia veementemente qualquer ação que viole os direitos dos cidadãos”.

Confira a íntegra.

São Paulo, 6 de junho de 2017 – A Avianca Brasil vem a público esclarecer que repudia veementemente qualquer ação que viole os direitos dos cidadãos. A presença da Polícia Federal foi solicitada na aeronave que fazia o voo 6327 (Brasília – Rio de Janeiro/Santos-Dumont), no dia 3, após a tripulação detectar um tumulto a bordo que poderia atentar à segurança operacional e à integridade dos passageiros. O procedimento objetivo seguido pelo comandante, no estrito cumprimento de suas funções, seguiu a praxe do setor para esses casos.

Atenciosamente,
Avianca Brasil



No artigo

2 comments

  1. Joaquim Inácio Vasconcellos Responder

    Esses “espiões” estão em toda a parte e não é de agora. Eu mesmo fui fotografado e filmado mais de uma vez nas manifestações de rua (Porto Alegre), inclusive com os dizeres dos cartazes que exibia, na campanha contra o impeachment e agora na de Diretas Já!

  2. Maria do Carmo Soares Responder

    Gente, estou começando a ficar com medo. Eu sempre rebato nas postagens dizendo que vivemos numa democracia, e não em estado de exceção… Mas estou começando a cair na real. E com medo do que pode vir a acontecer “por baixo dos panos”.


x