Que interesses Alckmin defende?

“Nos últimos dias, Alckmin atuou como defensor da permanência de Michel Temer na Presidência e da continuidade do apoio do PSDB à base aliada do Planalto, mesmo depois dos últimos acontecimentos e de Temer...

354 0

“Nos últimos dias, Alckmin atuou como defensor da permanência de Michel Temer na Presidência e da continuidade do apoio do PSDB à base aliada do Planalto, mesmo depois dos últimos acontecimentos e de Temer ter chego à desaprovação de 95% da população e com mais de 90% querendo a sua saída. A explicação mais plausível é que Alckmin joga contra o povo e em favor dos bancos”. Leia no novo artigo de Alencar Santana Braga

Por Alencar Santana Braga*

Os movimentos do Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, dentre e fora de seu partido, o PSDB, causam estranhamento em qualquer analista político ou mesmo cidadão e cidadã.

Nos últimos dias, Alckmin atuou como defensor da permanência de Michel Temer na Presidência e da continuidade do apoio do PSDB à base aliada do Planalto, mesmo depois dos últimos acontecimentos e de Temer ter chego à desaprovação de 95% da população e com mais de 90% querendo a sua saída. Mesmo com as grandes manifestações, como as deste domingo no Largo da Batata, pedindo por uma renúncia de Temer e por eleições diretas.

A explicação mais plausível é que Alckmin, o maior nome de seu partido na atualidade, joga contra o povo e em favor dos bancos.

Ao defender a continuidade do governo estraçalhado de Temer, com o argumento de garantir a aprovação das reformas Trabalhista e da Previdência, ambas também rejeitadas pela maioria dos brasileiros e das brasileiras, Alckmin mostra ser o defensor dos interesses do mercado financeiro e da grande capital e não das camadas populares, do povo pobre, dos trabalhadores e das trabalhadoras e muito menos da classe média.

Reformas essas também defendidas por Doria, seu colega de partido.

Ora, Santo Alckmin, defendendo a permanência de Temer e a continuidade de seu governo odiado por quase toda a população, além de jogar fora os valores de “moralidade pública” que tanto diz zelar, quer que o povo pague o pato com a retirada de direitos trabalhistas, desemprego em massa, redução de salários, fim da aposentadoria pública e desmantelamento de serviços fundamentais, como a saúde e a educação.

Temer foi alçado como salvador nacional, alguém que colocaria o país “nos trilhos do desenvolvimento e da impetuosidade, tornando o Brasil um país sério e honesto”, mas o que se vê é justamente o inverso.

Alckmin deveria saber o quanto defender Temer é condenar o povo a perder ainda mais e que estar ao seu lado é, na verdade, uma máscara para esconder a quem, na verdade, ele serve: aos bancos, o mercado financeiro e rentista.

*Alencar Santana Braga é Deputado Estadual e Líder do PT na Alesp

Foto: Agência Brasil



No artigo

x