Professora desmente Míriam Leitão e diz que policial subiu a bordo para proteger uma ‘celebridade global’

Segundo a professora Lucia Capanema, que estava no voo, ela só soube da presença da jornalista no avião uma semana depois, quando um texto que fez sobre a entrada de um policial na aeronave...

720 0

Segundo a professora Lucia Capanema, que estava no voo, ela só soube da presença da jornalista no avião uma semana depois, quando um texto que fez sobre a entrada de um policial na aeronave já estava publicado. De acordo com ela, “o piloto requisitou a presença de um policial a bordo para garantir a alegada integridade de uma ‘celebridade global’”, conta.

Da Redação

A professora de urbanismo da UFF, Lucia Capanema, que estava no voo da Avianca onde Míriam Leitão diz ter sido achincalhada desmente a jornalista, assim como também o fez em entrevista exclusiva à Fórum o advogado Rodrigo Mondego, coordenador da Setorial de Direitos Humanos do PT. De acordo com a professora, “durante as duas horas de voo nada houve de forma a ameaçá-la, achincalhá-la ou mesmo citá-la nominalmente”, declara.

Lucia é a autora de texto republicado pela Fórum que denuncia a entrada de um agente federal no mesmo voo onde Míriam Leitão alega ter sofrido as supostas agressões. Segundo a professora, ela só soube da presença da jornalista no avião uma semana depois, quando o seu texto já estava publicado. De acordo com ela, “o piloto requisitou a presença de um policial a bordo, após a tripulação detectar um tumulto que poderia atentar à segurança operacional e à integridade dos passageiros. Compreenda-se: Para garantir a alegada integridade de uma ‘celebridade global’, conta.

Leia o relato da professora na íntegra abaixo:

Por Lucia Capanema, professora de urbanismo da UFF – Universidade Federal do Rio de Janeiro

Miriam Leitão, por não ler seus textos, achava que a senhora só mentia na telinha. Fui a última a entrar no avião e quando o fiz encontrei um voo absolutamente normal. Não notei sua presença, pois não havia nenhum tipo de manifestação voltada à sua pessoa. O episódio narrado por mim, aqui neste blog, na semana passada a respeito da entrada de um agente da Polícia Federal no voo 6342 da Avianca, no dia 03 de junho, foi confirmado em nota oficial pela própria companhia aérea. Você pode dizer na melhor das hipóteses que não viu o agente, mas não pode afirmar que “Se esteve lá, ficou na porta do avião e não andou pelo corredor”. Andou, dirigiu-se ao passageiro da poltrona 21A e ameaçou-o.

Durante as duas horas de voo nada houve de forma a ameaçá-la, achincalhá-la ou mesmo citá-la nominalmente. Por duas ou três vezes entoou-se os já consagrados cânticos “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo” e “a verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura”; cânticos estes que prescindem da sua presença ou de qualquer pessoa relacionada a empresa em que você trabalha, como se pode notar em todas as manifestações populares de vulto no país.

Veja bem, estávamos a apenas seis fileiras de distância e eu só fui saber de sua presença na aeronave na segunda-feira seguinte, depois de ter escrito o relato publicado por várias fontes de informação da mídia alternativa.

De acordo com a companhia aérea, o piloto requisitou a presença de um policial a bordo, “após a tripulação detectar um tumulto a bordo que poderia atentar à segurança operacional e à integridade dos passageiros”.

Compreenda-se: Para garantir a alegada integridade de uma “celebridade global”. Ora, passa pela sua cabeça deturpada quantas pessoas públicas foram e são cotidianamente abordadas de forma negativa nos voos do nosso Brasil afora?

Pode você imaginar quantos pobres, negros, nordestinos, foram ofendidos em voos e aeroportos por sua origem humilde? E quantas vezes você acredita terem chamado agentes da Polícia Federal? É sua posição de destaque na abjeta construção de um país cindido que a coloca como celebridade merecedora de tamanho desvelo.

E agora vem com esta nota recheada de inverdades fazer-se de vítima, buscando até mesmo um passado em que você teria sido presa, para assim fazer mais uma vez esse discurso do ódio e da violência?

Permita-me dizer quem cria esse discurso é a emissora a que você pertence, não só no noticiário distorcido como em sua teledramaturgia: Ensina-se não só a odiar o PT e os jovens pobres e negros que se manifestam nas ruas chamando-os de vândalos, mas também como envenenar o marido e sair ilesa, como jogar a sobrinha recém-nascida no lixo e outros horrores.

Cotidianamente você adentra os lares brasileiros para destilar suas mentiras e seu ódio a governos populares que não lhe garantiram os privilégios que gozava no governo de seu amigo e benfeitor FHC.

Cotidianamente você constrói o ódio dos brasileiros aos seus pares; porque os 60% mais pobres deste país não podem gostar e apreciar governos e partidos dos seus iguais.

Você mente para que a população admire e vote somente na elite à qual você pertence. É você quem violenta não só a nossa inteligência, mas também o princípio do amor ao próximo, da igualdade entre os seres humanos.

Não é surpresa que nesta nota de hoje você ridicularize os conhecimentos históricos de um passageiro, que certamente não teve da vida e do poder público as mesmas benesses que você.

Os petistas do nosso voo não são “profissionais do partido”, são militantes e delegados. Você sim, na qualidade de profissional da oligarquia midiática brasileira, se aproveita do episódio para envolver e criminalizar nosso mais querido presidente.

Deixem-no em paz e verão que ele, mais uma vez, fará história em favor das classes que vocês odeiam.

Foto: Twitter de Míriam Leitão



No artigo

x