Procon encontra alimentos vencidos em sete restaurantes caros de São Paulo

Entre os locais com problemas estão a Churrascaria Fogo de Chão de Moema (com feijão e peixe vencidos) e o Jardim de Napoli, em Higienópolis (com massas de fabricação própria e molho de tomate).

445 0

Entre os locais com problemas estão a Churrascaria Fogo de Chão de Moema (com feijão e peixe vencidos) e o Jardim de Napoli, em Higienópolis (com massas de fabricação própria e molho de tomate).

Da Redação*

De acordo com informações da coluna de Mônica Bérgamo, o Procon-SP encontrou alimentos fora do prazo de validade nas cozinhas de restaurantes badalados da cidade. A operação, feita em 23 estabelecimentos entre quinta (8) e terça (13), flagrou o problema em sete locais. Entre eles, a Churrascaria Fogo de Chão de Moema (com feijão e peixe vencidos) e o Jardim de Napoli, em Higienópolis (com massas de fabricação própria e molho de tomate).

“No Paris 6, nos Jardins, havia 5 kg de linguiça fora do prazo, segundo o Procon. No La Pasta, dentro do Eataly, na Vila Nova Conceição, a blitz viu 130 kg de Nutella vencidos. No Terraço Itália (foto), no centro, os fiscais acharam produtos já em uso sem informação da data de abertura da embalagem, situação que se repetiu em mais nove lugares.

O órgão do consumidor vai divulgar nesta semana o resultado final da operação. As casas foram notificadas e têm prazo de 15 dias para se defender a partir do recebimento do auto de infração. A multa mínima é de R$ 614.

O Fogo de Chão diz que os itens vencidos eram amostras recebidas de fornecedores que já iriam para o lixo. Isaac Azar, dono do Paris 6, diz que a linguiça não seria servida: eram duas amostras que ele havia pedido a empresas, mas que não chegou a experimentar porque está em Miami. O Terraço Itália alega que os produtos abertos eram leite e óleo usados nas preparações diárias e estavam na validade. O Jardim de Napoli diz que que a visita aconteceu em horário de trocas de equipe, “quando retiram os itens do dia anterior, todos devidamente etiquetados e prontos para serem descartados” e que os produtos que estavam abertos “eram para consumo imediato”. O Eataly não se manifestou.”

*Com informações da coluna de Mônica Bérgamo

Foto: Terraço Itália – Divulgação

 



No artigo

x