Após desmentir Miriam Leitão, professora é atacada e recebe ameaças de morte na internet

Lucia Capanema, que estava no mesmo voo que Miriam Leitão e desmentiu a jornalista, que disse ter sido alvo de “agressões verbais” de petistas, tem sofrido inúmeras agressões pelas redes sociais, ao ponto de...

412 0

Lucia Capanema, que estava no mesmo voo que Miriam Leitão e desmentiu a jornalista, que disse ter sido alvo de “agressões verbais” de petistas, tem sofrido inúmeras agressões pelas redes sociais, ao ponto de ter resolvido ingressar com queixa na Delegacia de Crimes na Internet

Por Bem Blogado

A vida da professora Lucia Capanema não tem sido a mesma desde o dia 13 de junho último, quando desmentiu a jornalista Miriam Leitão, que reclamou ter sido alvo de “agressões verbais” durante duas horas em um voo da Avianca, no dia 03 do mesmo mês.

A professora da UFF, que é PhD em Planejamento Regional pela Universidade de Illinois, EUA, e pós-doutora pelo IPPUR/UFRJ, tem sofrido inúmeras agressões pelas redes sociais, ao ponto de ter resolvido ingressar com queixa na Delegacia de Crimes na Internet. “Jumenta, lixo, vadia, pistoleira, vagabunda, cretina, retardada, cadela petista”, mais palavrões e ameaças de agressão física, de morte e sexual por parte de homens e mulheres estão entre os comentários recebidos por Lúcia Capanema.

Tudo isso em razão de Lúcia ter escrito um texto, no Bem Blogado, no dia 05 de junho, estranhando a presença de um agente da Polícia Federal no voo 6342, Avianca, Brasília/Rio para questionar passageiros antes da decolagem e ordenar a filmagem do desembarque. Fora isto, de acordo com a passageira, o voo foi normal, e ela não percebeu a presença da jornalista Míriam Leitão ou de qualquer menção a ela, que estava apenas 4 fileiras à sua frente. Só ficou sabendo que a global estava no voo depois da matéria do dia 05.

Leia também

Apertem os cintos, o estado de direito sumiu: violação aos direitos num voo da Avianca

Advogado que estava no mesmo voo de Míriam Leitão diz que ela mente em vários pontos de seu texto

A professora resolveu desmentir a jornalista quando, em O Globo de 13 de junho, além de acusar os passageiros de agressão verbal, Miriam Leitão afirmou que a Polícia Federal não entrou no avião. Outras pessoas presentes no voo, igualmente, desmentiram a global. Foi o bastante para que fossem achincalhados nas redes sociais pela direita raivosa que não aceita um mundo democrático, onde haja contraponto.

Professora, qual será a sua atitude perante os acontecimentos?

Estou agora entrando com pedido de providências na delegacia contra 30 pessoas/entidades que consegui identificar na internet por calúnia, difamação e injúria. Estou solicitando ainda que se identifique os responsáveis por perfis que se escondem atrás de falsas identidades. São ataques de ódio recheados de violência pelo simples fato de que eu forneci, na internet, evidências de que uma jornalista havia mentido.

A que a senhora atribui tanto ódio?

Desde 2005, guardo comigo um artigo do economista Paul Singer acerca das raízes do ódio, em que ele diz: “A onda de agressões contra o PT, veiculada por toda grande imprensa, é espantosa em sua violência, em sua unilateralidade e em sua cegueira”; mais à frente, discorrendo sobre o ódio ideológico ele diz que “atinge os que querem preservar a sociedade brasileira do jeito que ela é. […] São os cidadãos que querem acabar com ‘essa raça pelos próximos 30 anos’” (Folha de São Paulo, 24/09/2005).

Pelo acontecido com a senhora, o clima de ódio só tem aumentado.

Espantoso constatar que após doze anos desta publicação, as relações de classe no Brasil recrudesceram, criando uma direita composta não só pelas elites – o que seria até compreensível -, mas por duas frações da classe média: aquela antiga, que não deseja se misturar ou mesmo ser confundida com os mais pobres, a mesma que odeia dividir o asfalto da Zona Sul, o shopping e os aeroportos com a classe mais baixa, e aquela ascendente, chamada classe “C”, que tanto se beneficiou com as políticas dos governos populares e agora lhes volta as costas porque deseja esquecer suas origens e se considerar parte efetiva da classe média.

Por que isso acontece?

As duas frações têm algo em comum: não percebem que todos os seus direitos e conquistas estão ameaçados pelo governo golpista e governos de feição neoliberal em geral, engendrados pela aliança entre capital e imprensa. Têm também em comum com as elites um individualismo exacerbado a níveis nunca vistos. Um individualismo que nega o outro, que se realiza no consumo e na hiper-realidade da TV e da internet.

Há uma mudança de paradigma, portanto.

Sim, por meio de um mecanismo em que praticamente não se pode discernir relações causais e antecedências, a mídia global e o grande capital se associam para fazer crer ao cidadão agora transformado em apenas consumidor, que sua felicidade se encontra no “ter” e não no “ser”, no se assemelhar a, e se aproximar das celebridades fabricadas, que naturalmente exibem os símbolos consagrados pelo poder.

Como fica a influência midiática?

O cidadão comum se vê próximo, inacreditavelmente próximo, daquela celebridade que não conhece, chamando-a comumente pelo primeiro nome: “Fátima hoje parece abatida”. Da mesma forma, considera-se antagonicamente próximo àqueles que se colocam em outro espectro (o popular); se acha pessoalmente ofendido por aqueles que o contrapõem e, portanto, no direito de ofendê-los de maneira desmedida e pretensamente íntima.

Vivemos cada dia mais num mundo – e friso aqui, trata-se de fenômeno global, de natureza não só sociológica ou psicológica, mas relativo à economia e à geopolítica mundial – triste e sem humanidade ou “com-paixão” nos seus sentidos mais profundos. E o pior: tem gente lucrando com isto.



No artigo

x