Senador cassado, Demóstenes Torres recebeu mais de R$ 2 milhões do MP sem trabalhar

  Segundo o site Congresso em Foco, mesmo afastado do Ministério Público, ex-senador recebeu em média R$ 45 mil mensais entre salários e outras verbas. Demóstenes conseguiu anular na Justiça grampos de conversas com o bicheiro Carlinhos Cachoeira...

362 0

 

Segundo o site Congresso em Foco, mesmo afastado do Ministério Público, ex-senador recebeu em média R$ 45 mil mensais entre salários e outras verbas. Demóstenes conseguiu anular na Justiça grampos de conversas com o bicheiro Carlinhos Cachoeira

 

Por Redação*    Foto: Reprodução Youtube

 

Cassado em 2012 por envolvimento em atividades com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, o ex-senador Demóstenes Torres continuou recebendo salários do Ministério Público mesmo estando afastado de suas atividades. Segundo cálculos do site Congresso em Foco, foram R$ 2,6 milhões, “considerando-se o salário de procurador mais os benefícios como gratificações natalinas e férias, além de indenizações e outros pagamentos extras. Uma média de R$ 45 mil por mês.” Apesar de exercer atividades privadas, como abrir um restaurante e um escritório de advocacia.

Depois de conseguir na Justiça a anulação dos grampos telefônicos em que aparecia combinando diversas atividades com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, o site também afirma que Demóstenes vai entrar com pedido de anulação de sua cassação no Senado. A ideia é recuperar os direitos políticos e já concorrer nas eleições de 2018 a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo estado de Goiás. Os grampos foram anulados porque turma do STF considerou que as gravações contra ele não poderiam ser autorizadas por um juiz de primeira instância, já que tinha foro privilegiado como senador.

Grampo sem grampo —  Por ironia, antes de ser gravado nas conversas com Cachoeira, Demóstenes participou da tentativa de constranger o governo Lula, em matérias que apareceram na imprensa de que uma conversa sua com o ministro Gilmar Mendes teria sido gravada ilegalmente por arapongas do governo. O tal grampo nunca apareceu.



No artigo

x