Geddel, ex-ministro de Temer, ligou várias vezes para mulher de doleiro com medo de delação

Imagens de celular entregues à polícia mostram que Geddel Vieira Lima, apelidado de Carainho, tentou entrar em contato várias vezes com mulher do doleiro Lúcio Funaro assim que foi revelada a delação premiada da...

355 0

Imagens de celular entregues à polícia mostram que Geddel Vieira Lima, apelidado de Carainho, tentou entrar em contato várias vezes com mulher do doleiro Lúcio Funaro assim que foi revelada a delação premiada da JBS  

 

Por Redação        Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

O doleiro Lucio Funaro, que negocia delação premiada, entregou à Polícia Federal imagens do celular da esposa que mostram que o ex-ministro Geddel Vieira Lima ligou várias vezes e mandou mensagens por WhatsApp assim que saiu a delação da JBS. As ligações teriam ocorrido nos dias 17, 18, 20, 23, 24, 29 e 31 de maio e em 1º e 05 de junho deste ano.

Em depoimento à PF, Funaro já havia dito que não tinha relação próxima com Temer, mas sim com Geddel, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves. E que teria entregue R$ 20 milhões a Geddel por comissão de operações na Caixa Econômica Federal, onde o ex-ministro foi vice-presidente e mantinha influência em duas diretorias. O doleiro também afirmou que apresentou Geddel ao empresário Joesley Batista, da JBS, e que atuou como intermediário em empréstimos da Caixa para diversas empresas do grupo. Apesar de não ter relacionamento direto com o presidente, Funaro também afirmou que as operações que intermediava eram conhecidas por Michel Temer.

 

Carainho — Como curiosidade, na agenda de telefone o apelido de Geddel era “Carainho”. Numa das mensagens enviadas pela esposa ao doleiro, ela diz: “Esses 2 prints acima já te mandei, mas para lembrar que esse foi o dia que saiu a decisão da Roberta (irmã de Funaro) e o sr. nos avisou por volta das 15:00 e ele (Geddel) às 16:09 já estava me ligando para falar que tinha ficado feliz com a decisão que agora o Lúcio ficaria mais calmo com a irmã em casa”.

Veja reprodução das mensagens:



No artigo

x