Ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, sobre Doria: “É a versão 2.0 do ‘rouba, mas faz’”

O ex-ministro esclareceu que sua crítica fazia referência à retórica de Doria, que em suas aparições públicas tem defendido a manutenção do apoio de seu partido, o PSDB, ao governo Temer.

342 0

O ex-ministro esclareceu que sua crítica fazia referência à retórica de Doria, que em suas aparições públicas tem defendido a manutenção do apoio de seu partido, o PSDB, ao governo Temer.

Da Redação*

Ao que tudo indica, o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, desembarcou do governo Temer decidido a virar justiceiro. Desta vez, a vítima foi o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB), que levou uma bela traulitada em seu perfil no Twitter. Calero escreveu:

“Doria prometeu encarnar o novo. Mas parece cada vez mais adaptado às práticas da velha política: versão 2.0 do “rouba mas faz”.

Posteriormente, o ex-ministro esclareceu que sua crítica fazia referência à retórica de Doria, que em suas aparições públicas tem defendido a manutenção do apoio de seu partido, o PSDB, ao governo Temer.

Nos últimos dias, o ex-ministro tem criticado as ações do governo do qual fez parte até novembro de 2016, quando pediu demissão do Ministério da Cultura. Calero acusou o ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, de pressioná-lo para a liberação da construção de um edifício no centro histórico de Salvador.

“Temer se vale do discurso da catástrofe para escamotear gravíssimas acusações de que é alvo. É triste ver novas lideranças embarcando nessa”, escreveu Calero na sequência de tuítes sobre o apoio de Doria a Temer.

Calero pediu demissão e suas acusações levaram à queda de Geddel. Durante o período, o então ministro chegou a gravar uma conversa sua com o presidente Michel Temer em que tratou de sua demissão.

*Com informações do Globo

Foto: Acácio Pinheiro/Minc



No artigo

x