Seis meses sem Teori e sem investigação concluída

Ocorrida em 19 de janeiro, morte de Teori Zavascki completa hoje seis meses sem nenhum resultado concreto da investigação. Assunto saiu da mídia e não tem data para inquérito ser finalizado. Acidente permitiu a indicação do...

161 0

Ocorrida em 19 de janeiro, morte de Teori Zavascki completa hoje seis meses sem nenhum resultado concreto da investigação. Assunto saiu da mídia e não tem data para inquérito ser finalizado. Acidente permitiu a indicação do tucano Alexandre de Moraes, ministro de Temer, para o Supremo

 

Por Redação*   Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

 

Nesta quarta-feira são completados seis meses da morte de Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal, STF, que estava encarregado dos processos da Lava Jato. O acidente de avião aconteceu em 19 de janeiro deste ano, no Rio de Janeiro, e vitimou Teori e mais quatro pessoas.

Não há resultados concretos do inquérito até o momento. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Cenipa, que investiga acidentes aéreos no Brasil está esperando laudos da Polícia Federal e fazendo checagens para elaborar relatório sobre o acidente. Depois o documento será traduzido e enviado para órgãos de investigação os Estados Unidos e Canadá, países de origem da aeronave e de seu motor. Quando receber de volta esse relatório preliminar, será concluído o documento final da investigação. Ainda não há data definida para que isso ocorra.

De concreto, a morte de Teori, que à época era relator da Lava Jato no Supremo, permitiu que Michel Temer indicasse seu ex-ministro da Justiça Alexandre de Moraes para o STF. Em maio, o filho do ministro, Francisco Prehn Zavascki, chegou a declarar ao saber dos pagamentos para manter Eduardo Cunha em silêncio na prisão: “Derrubaram a Dilma e assumiu o Temer. Do que eles são capazes? Será que só pagar pelo silêncio alheio? Ou será que derrubar avião também está valendo?”, postou Francisco, que completou “Não tenho como não pensar que não mandaram matar o meu pai!”.

 



No artigo

x