Às vésperas de julgamento, tag #LibertemRafaelBraga é o assunto mais comentado do Twitter

O jovem, único preso das manifestações de junho de 2013, foi preso novamente em 2016 sob a alegação de tráfico de drogas em uma sentença baseada apenas no depoimento de policiais. Nesta terça-feira (1),...

178 0

O jovem, único preso das manifestações de junho de 2013, foi preso novamente em 2016 sob a alegação de tráfico de drogas em uma sentença baseada apenas no depoimento de policiais. Nesta terça-feira (1), será julgado seu pedido de habeas corpus e atos exigindo sua liberdade acontecerão em ao menos 3 capitais brasileiras

Por Redação

Nesta segunda-feira (31), a tag #LibertemRafaelBraga se tornou o assunto mais comentado do Twitter no Brasil. A mobilização online faz parte de uma campanha que já atingiu níveis internacionais pela liberdade do jovem, único preso das manifestações de junho de 2013. Nesta terça-feira (1), a 1ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro deve julgar um pedido de habeas corpus para que Rafael responda ao processo em liberdade.

Em junho de 2013, Braga foi detido portando uma garrafa de desinfetante Pinho Sol, que foi interpretado como material para fabricar explosivos. Ele respondeu ao processo em liberdade com uma tornozeleira eletrônica e, em janeiro de 2016, foi detido novamente depois de ser abordado por um policial enquanto ia comprar pão. Foi atribuído ao jovem, nesta última ocasião, 0,6 grama de maconha, 9,3 gramas de cocaína e um rojão. Desde seu primeiro depoimento, no entanto, Braga alega que tal material não lhe pertencia, e ainda revelou uma série de ameaças de policias, desde 2013, de “plantar” drogas “em sua conta”. Em sentença publicada no último dia 20, Rafael Braga foi condenado a 11 anos de prisão por tráfico de drogas. A decisão foi baseada apenas no depoimento de policiais.

Ativistas e militantes interpretam a prisão de Rafael Braga como arbitrária e fruto da política racista de encarceramento da população negra no Brasil. A campanha pela liberdade do jovem é endossada, inclusive, por figuras de renome na luta pelos direitos da população negra à nível mundial, como Angela Davis.

Às vésperas do julgamento do habeas corpus, ao menos três capitais brasileiras terão atos exigindo a liberdade do jovem. Em São Paulo, será realizado um ato-vigília, a partir das 18h, em frente ao Teatro Municipal, no centro da capital. Convocados pela Frente Alternativa Preta e pela Campanha 30 Dias Por Rafael Braga, outros atos também serão realizados no Rio de Janeiro, em frente ao Tribunal de Justiça do estado, às 17h, e em Brasília, diante do prédio do Supremo Tribunal Federal (STF), às 14h.

 



No artigo

x