Depois de arquivar cassação de Aécio, presidente do Conselho de Ética aceita denúncia contra Lindbergh

O senador será alvo de um processo por protestar contra a representação que pretendia punir 6 senadoras, que se rebelaram na votação da reforma trabalhista, e foi arquivado. Aceitação da denúncia vem um mês...

693 0

O senador será alvo de um processo por protestar contra a representação que pretendia punir 6 senadoras, que se rebelaram na votação da reforma trabalhista, e foi arquivado. Aceitação da denúncia vem um mês após o mesmo presidente ter arquivado processo contra Aécio e dito que o tucano é “vítima de armação” 

Por Redação 

O senador João Alberto (PMDB-MA), presidente do Conselho de Ética do Senado, decidiu, nesta quinta-feira (10), aceitar uma denúncia de quebra de decoro parlamentar contra o senador Lindbergh Farias, líder do PT na Casa. A denúncia foi apresentada pelo senador José Medeiros (PSD-MT) e pede para que o petista seja punido por ter protestado, junto ao Conselho, contra a representação que pesava contra 6 senadoras da oposição e que foi arquivado.

Na sessão de ontem (9), Lindbergh se revoltou e disse que aquela reunião era uma “palhaçada” afinal, o mesmo Conselho de Ética que havia arquivado um processo contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), pego em grampos com Joesley Batista, da JBS, queria punir senadoras por se rebelarem na votação da reforma trabalhista. O caso das senadoras foi arquivado mas, agora, parlamentares querem punir Lindbergh por protestar.

O presidente que aceitou a denúncia contra Lindbergh é o mesmo que, há um mês, arquivou o pedido de cassação de Aécio alegando que o tucano estava sendo “vítima de uma armação”.

Pelas redes sociais, o líder da bancada petista comentou a denúncia: “Não me surpreende que o autor de ambas as denúncias seja o mesmo senador. Mas me escandaliza que o Conselho de Ética do Senado, que arquivou a denúncia contra Aécio Neves, se mobilize para punir a defesa intransigente de princípios, ao mesmo tempo em que faz vista grossa para denúncias gravíssimas de enriquecimento ilícito, ameaças de morte e malas de dinheiro”.

Assista.



No artigo

x