Após vitória no STJ, Maria do Rosário volta a ser atacada por adoradores de Bolsonaro

“Bandida”, “vaca” e “Maria de merda” foram só alguns dos xingamentos de haters que a adicionaram em grupos de Whatsapp logo após o deputado ter sido condenado por incitação ao estupro em processo movido...

1367 0

“Bandida”, “vaca” e “Maria de merda” foram só alguns dos xingamentos de haters que a adicionaram em grupos de Whatsapp logo após o deputado ter sido condenado por incitação ao estupro em processo movido pela petista 

Por Redação 

Adoradores do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) estão enfurecidos com a condenação do parlamentar. Nesta terça-feira (15), ele foi condenado pela terceira vez, dessa vez pelo Superior Tribunal de Justiça, por danos morais em um processo movido pela deputada Maria do Rosário (PT-RS) por conta do episódio de 2014 em que ele incita o estupro contra a petista.

Logo após a decisão do STJ, seguidores do deputado condenado voltaram a atacar Maria do Rosário via Whatsapp. Eles descobriram seu número através do site da Câmara e a adicionaram em grupos de apoio a Bolsonaro.

“Vaca”, “bandida” e “filha da puta” foram só alguns dos xingamentos desferidos contra a parlamentar, que denunciou o ataque em postagem no Twitter.

“Informo q +uma vez grupos criminosos de apoio ao deputado hj condenado descobrem na Câmara meu nº e usam whats para agressões sem limite”, escreveu Rosário no microblog. Essa não é a primeira vez que a deputada é alvo de ataques virtuais por conta de seu processo contra Bolsonaro.

Após a decisão do STJ, Maria do Rosário afirmou que essa não é uma vitória só dela, mas de todas as mulheres. Confira, abaixo, o texto divulgado pela parlamentar após a decisão.

Vitória da dignidade das mulheres

Ao manter nesta terça-feira (15), por unanimidade, a condenação por danos morais de Jair Bolsonaro contra minha pessoa, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deixa claro, de forma inequívoca, que o Brasil não pode mais tolerar a violência contra as mulheres. O voto da ministra relatora, Nancy Andrighi, destacou a necessidade da reparação, reafirmando o princípio da dignidade humana.

O resultado dessa ação tem força simbólica muito maior que a condenação a retratações públicas ou ao pagamento de multa, que doarei integralmente para entidade que atua em defesa de mulheres vítimas de violência.

A decisão representa o resgate de princípios da dignidade humana que cabe a todos os cidadãos observar. Ainda mais fundamental que sejam observados por quem exerce autoridade pública.

As bárbaras violências a que mulheres são submetidas diariamente exigem atitudes firmes de nossa parte, para estarmos à altura da coragem que elas revelam ao enfrentar seus algozes.

Assim, a cada mulher brasileira dedicamos essa vitória!

Nosso próximo passo será no Supremo Tribunal Federal (STF), onde o mesmo parlamentar condenado será julgado na esfera penal, por incitação ao crime de estupro e injúria.

Num momento histórico de fortes contradições, em que bandeiras do ódio e do nazismo desfilam em praça pública, as mulheres sofrem grande violência, migrantes são espancados e crimes de ódio são direcionados a grupos étnicos e culturais e lgbts.

Não por acaso, quem a promove é justamente a mesma pessoa que defende a ditadura militar, a tortura e a perseguição às minorias.

Sigo confiante que mais uma vez a justiça prevaleça.

Movi esses processos e batalho pela condenação não pelo sentimento de vingança, mas em nome de todas as mulheres brasileiras que convivem diariamente com ataques tão ou mais cruéis e que muitas vezes não conseguem ou não podem reagir. Minha responsabilidade como mulher pública que sou, eleita pela população para cumprir sucessivos mandatos, é de ir até o fim para que esse crime não fique impune.

Por fim, agradeço ao escritório Cezar Britto Advogados Associados e parabenizo a brilhante sustentação oral da advogada Camila Gomes no STJ. Hoje, todas as mulheres devem sentir-se mais fortes contra a violência.

Deputada federal Maria do Rosário (PT-RS)



No artigo