Lancha vira e causa tragédia na Baía de Todos-os-Santos

Embarcação tinha capacidade para 160 pessoas e, de acordo com a Astramab, levava 124 pessoas, sendo 120 passageiros e quatro tripulantes. Mortos chegam a, pelo menos, 22.

603 0

Embarcação tinha capacidade para 160 pessoas e, de acordo com a Astramab, levava 124 pessoas, sendo 120 passageiros e quatro tripulantes. Mortos chegam a 18.

Da Redação*

Depois do naufrágio no Pará, na quarta-feira (23), agora foi a vez de uma tragédia semelhante chegar à Bahia. Ao menos 18 pessoas morreram, depois de uma lancha virar na travessia entre Mar Grande e Salvador, na Baía de Todos-os-Santos, na manhã desta quinta-feira (24). Após a morte de um bebê, a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador informou que o número de mortos havia subido para 23, mas o número foi revisto para 18.

De acordo com a Marinha, informações passadas pela Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab) apontam que a embarcação, chamada de Cavalo Marinho I, tinha capacidade total de 160 pessoas e transportava 124, sendo 120 passageiros e quatro tripulantes. A Marinha diz que resgatou cinco corpos e que as outras 17 vítimas foram resgatadas por embarcações particulares.

Informações da Marinha dão conta que a embarcação estava regular e um inquérito administrativo será instaurado para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente. “Essa informação [do acidente] chegou 7h45. Uma embarcação que trafegava viu o acidente emitiu um pedido de socorro para Marinha do Brasil. Mobilizamos equipes quatro lanchas da Capitania [dos Portos] mais quatro navios que estavam atracados na Base Naval de Aratu. Ao todo, 126 militares estão no local trabalhando no socorro às vítimas”, explicou o comandante e assessor de comunicação da Marinha, Flávio Almeida.

Um dos sobreviventes do acidente, Edvaldo Santos de Almeida, chegou ao Terminal Náutico de Salvador socorrido por meio de uma lancha que trazia outros ocupantes da embarcação que virou no mar. Ele reclamou que demorou muito tempo para que as vitimas fossem socorridas. A Marinha ressalta que como embarcações particulares também fizeram resgates, não é possível afirmar precisamente o número de pessoas retiradas do mar.

*Com informações do G1

Foto: Graer/Divulgação



No artigo

x