Fernanda Lima desanca Sílvio Santos: “De que adianta dar visibilidade às minorias para zombar da cara delas?”

Na resposta contundente que deu ao apresentador, a ex-modelo disse ainda: “Chega de benevolência com qualquer comportamento que de alguma forma inferiorize a mulher. Não vamos assistir caladas essas 'brincadeiras' se reproduzindo por aí a torto e a direito".

3147 0

Na resposta contundente que deu ao apresentador, a ex-modelo disse ainda: “Chega de benevolência com qualquer comportamento que de alguma forma inferiorize a mulher. Não vamos assistir caladas essas ‘brincadeiras’ se reproduzindo por aí a torto e a direito”.

Da Redação*

Na última sexta-feira (25), Fernanda Lima fez um desabafo contundente e definitivo na sua conta do Instagram dirigido ao apresentador e dono do SBT, Sílvio Santos. A polêmica dos dois já dura algumas semanas e começou quando Sílvio disse no seu programa de domingo que Fernanda é “magrela” e que se quisesse aprender a fazer amor e sexo ela a ensinaria.

O desabafo começa assim:

“Diante de tantas manifestações carinhosas e outras tão agressivas que venho recebendo ao longo dessas semanas, resolvi escrever para elucidar os pontos que acredito que não me fizeram calar diante desse debate público, afinal, nada aqui é pessoal. É coletivo, é política”, começa Fernanda Lima.

Em seguida, ela menciona a fala de Silvio Santos sobre ela, o pivô de toda a polêmica. “Pessoalmente, ser chamada de magra, ou mesmo ser objetificada com frases do tipo ‘se ela não souber fazer amor e sexo eu vou ensinar a ela’ me parece um absurdo, mas não me oprime a ponto de me fazer sair do conforto do meu silêncio para pedir respeito”, explica Fernanda.

“Sei quem sou, gosto do meu corpo e escolho com quem faço amor e sexo. No entanto, politicamente, como uma comunicadora, venho aprendendo que o mundo mudou e que não cabe mais rir do oprimido, mas sim do opressor”, prossegue a apresentadora, ciente das mudanças comportamentais que tornaram práticas antes tidas como padrão obsoletas e desrespeitosas.

“Ter privilégios também implica ter responsabilidade”, avalia a ex-modelo. “De que adianta dar visibilidade às minorias para zombar da cara delas?”, questiona.

Fernanda prossegue o desabafo dizendo que pretende continuar na sua luta pela igualdade de gêneros e afirmando que não se calará diante da polêmica. “Romper o silêncio pode ser desesperador ou libertar. Prefiro acreditar na segunda opção, então, não me calo”, diz ela.

“Sigamos firmes no propósito de usar nossa voz para pedir respeito, igualdade e justiça”, pede a apresentadora. “Sigamos firmes na construção de vias de comunicação, de informação, de aprendizado sobre os males sociais do machismo para que nenhuma mulher mais sofra qualquer tipo de violência pelo simples fato de ser mulher: chega de assédio, de abuso, de violência contra nossos corpos, contra quem somos”, declara. “O corpo da mulher não é território público onde se pode meter a mão, avaliar, invadir, usar, agredir.”

A apresentadora termina o texto lembrando dados assustadores relacionados à violência contra a mulher no Brasil e pedindo, mais uma vez, que as pessoas parem de serem benevolentes com brincadeiras sexistas. “Então chega de benevolência com qualquer comportamento que de alguma forma inferiorize a mulher. Não vamos assistir caladas essas ‘brincadeiras’ se reproduzindo por aí a torto e a direito”, enfatiza.

“Nem no SBT, nem na Globo, nem em casa, nem no trabalho, nem na mesa do bar. Nem meu pai, nem meu avô, nem meu marido, nem meu filho, nem você. Nem contra mim nem contra nenhuma mulher ou representante de minoria política”, finaliza.

Confira o relato de Fernanda Lima na íntegra aqui.

*Com informações do Catraca Livre

Foto: Instagram Fernanda Lima

 

 



No artigo

x