Do DCM: Doria nomeia na sua equipe prefeito condenado por corrupção

Ex-prefeito de Cotia, o tucano Antônio Carlos de Camargo, o Carlão, foi condenado por improbidade administrativa em fevereiro deste ano.

706 0

Ex-prefeito de Cotia, o tucano Antônio Carlos de Camargo, o Carlão, foi condenado por improbidade administrativa em fevereiro deste ano.

Por Kiko Nogueira*

O prefeito de São Paulo João Doria Jr. nomeou para chefe de assessoria técnica da secretaria do governo o ex-prefeito de Cotia, Antônio Carlos de Camargo, também do PSDB. Carlão, figura folclórica na região, teve pedida sua inelegibilidade por oito anos em outubro de 2016, num caso de abuso de poder político. Seu sucessor e aliado, Rogério Franco, foi cassado na mesma ação.

Em fevereiro deste ano, Carlão foi condenado por improbidade administrativa. A Justiça suspendeu seus direitos políticos até 2021, além de ordenar o pagamento de multa no valor de 46 vezes a última remuneração por ele recebida, corrigida para os dias atuais. Houve ainda a exoneração de mil cargos de confiança inventados por ele. Eles são garantidos por lei e não dependem de aprovação em concurso.

Na sentença, o juiz Diógenes Luiz de Almeida Rodrigues afirmou que foram criados cargos comissionados para atribuições meramente técnicas e operacionais, como administrador regional, consultor jurídico especial do Procon, superintendente da Guarda Civil Metropolitana e assistente comunitário.

Em maio, a Câmara da cidade rejeitou unanimemente as contas de Carlão Camargo referentes a 2013, endossando parecer do Tribunal de Contas do estado. De acordo com o juiz Diógenes, Carlão praticou “o intenso e repetido desrespeito à moralidade administrativa”.

No dia 20 próximo, o empresário Sebastião Bomfim Filho, dono da Centauro, dará um jantar em torno de Doria com artistas que apoiaram Aécio Neves, como Marcio Garcia. A nomeação de Carlão é um bom assunto para essa gente preocupada com a corrupção – se é que ele não foi convidado.

*Com informações do Diário do Centro do Mundo

Foto: César Ogata/Secom/TJSP

 



No artigo

x