“Tem nenhuma chance de eu ser preso. Nenhuma”, diz Joesley em nova gravação

Na visão de Joesley, era necessário que Saud logo dispersasse o que chamou de “barulhos” antes de uma suposta reunião da companhia. Da Redação*...

760 0

Na visão de Joesley, era necessário que Saud logo dispersasse o que chamou de “barulhos” antes de uma suposta reunião da companhia.

Da Redação*

A conversa de Joesley Batista com o diretor de relações institucionais Ricardo Saud, supostamente gravada por engano em 17 de março, descreve com escárnio uma orientação do delator ao colega para deixar claro em uma reunião que “não havia nenhuma chance” de alguém da empresa ir para a cadeia.

“Tem nenhuma chance de eu ser preso. Sabe qual a chance? Nenhuma. E o Joesley? Também (não). Vamos tirar isso da frente da nossa conversa. Qual o próximo assunto? Vamos falar de nossos filhos, coisa importante? Não precisa dar explicação nenhuma. Por quê? Por que não vai (ter prisão)”, declarou Joesley, ao afirmar o que Saud deveria dizer antes de uma reunião.

Na visão de Joesley, era necessário que Saud logo dispersasse o que chamou de “barulhos” antes de uma suposta reunião da companhia.

“Ricardo, é bom falar, porque isso tudo está na cabeça das pessoas. Então deixa eu te dar uma sugestão. Fala: ‘Gente, deixa só eu falar um negócio, tem um bucado de barulho aí, prisão e jornal, sobre o que eu fazia. Vamos direto ao ponto: eu queria deixar todo mundo absolutamente conscientes de que ninguém vai ser preso’”, orientou.

Joesley ainda pediu que Saud contasse aos pares que poderiam procurar o diretor sobre os barulhos. Dizer a eles que não é constrangimento falar sobre os barulhos ajudaria, segundo o dono da JBS, que nenhum deles comentasse.

“Ricardo, nenhum vai falar nada (…) Porque, no final, a realidade é essa, nós não vamos ser presos. Nós não vai. Vamos fazer tudo, menos ser preso (sic)”, frisou Joesley.

MENTIRA SOBRE A MÃE

No mesmo áudio, Joesley Batista entrega uma história inventada por ele que envolve a própria mãe. Aos risos com Ricardo Saud, ele conta como criou uma narrativa na qual é interpelado pela parente se estava mentindo a respeito de irregularidades.

“Eu fui contar para a minha mãe, minha mãe olhou para mim ‘meu filho, não mente para sua mãe. Meu filho, eu tenho 80 anos, você não tem o direito de mentir para mim. Ou você está mentindo ou você está muito inocente, porque esse povo tem provas cabais’. Eu conto a história da minha mãe, que me chamou para dar explicação. Dez homens vestidos de preto não chegam na casa de homem de bem. Aí foi que eu entendi o exagero desse povo. Eu conto essa história para ilustrar (…) Criei para exemplificar”, relata Joesley.

Ao fim do áudio, o delator ainda frisa que “só tem um louco no planeta para fazer o que faz” e responde a si mesmo “Eu” antes de cair na risada.

*Com informações do Extra

Foto: Divulgação



No artigo

x