Breno Altman revela discussão entre Palocci e Dirceu antes do 2o turno de 2002

Voce saiu para negociar e volta negociado? Foi representar o partido na conversa com os caras ou fala em nome dos bancos aqui dentro?, disse Dirceu a Palocciw

2063 0

HISTORIETA DOMINICAL, por Breno Altaman

Por pouco Lula não tinha liquidado a fatura eleitoral no primeiro turno, ocorrido dia 7 de outubro de 2002.

O alto comando da campanha, liderado por José Dirceu, então presidente nacional do PT, estava reunido no Hotel Renaissance, em São Paulo, discutindo o que fazer nos últimos dias que antecediam o turno final, previsto para o dia 28 de outubro.

Lula estava na frente em todas as pesquisas, mas a direção petista movia-se com sofreguidão para cobrir qualquer vulnerabilidade ou risco.

Mesmo com a Carta ao Povo Brasileiro, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) continuava a tentar o emparedamento do PT e seu candidato, tratando de carimba-los, ainda que subliminarmente, como irresponsáveis e aventureiros em matéria econômica.

Os banqueiros exigiam que Lula aceitasse um superavit primário de 5%, sem o qual – afirmavam – o Brasil voltaria ao caos fiscal e inflacionário.

Na presença de outros dirigentes partidários, Dirceu orienta Antonio Palocci a procurar a Febraban.

– Diga a eles que não há acordo com o que propõem. Lula dará uma declaração de que faremos o máximo superávit primário possível, mas sem comprometer a recuperação do crescimento, o investimento público e as políticas para distribuição de renda. Se quiserem diálogo conosco depois das eleições, que digam publicamente estarem satisfeitos com essa fórmula.

Algumas horas depois, o futuro ministro da Fazenda voltaria de sua reunião com os bancos.

Para surpresa de todos os que estavam na sala, Palocci confessa estar convencido que os banqueiros tinham razão e defende que o PT aceite os 5% de superávit primário.

Irritado, Dirceu reage rispidamente:

– Voce saiu para negociar e volta negociado? Foi representar o partido na conversa com os caras ou fala em nome dos bancos aqui dentro?

Palocci fica ofendido e se levanta da mesa, mas continuaria a defender o ponto de vista da Febraban, ainda que sem sucesso.

Mesmo assim, seria o chefe da economia do governo Lula.

O que nenhum dirigente pode afirmar, no entanto, é desconhecimento do caminho que estava trilhando o homem que hoje trai o PT e se coloca a serviço das mentiras forjadas pela Operação Lava Jato.



No artigo

x