Miro: “Fascistas do MBL abortam exposição de arte”

Entidades ligadas ao movimento LGBT convocaram um protesto contra a censura na próxima terça-feira (12), em frente ao Santander Cultural, "em defesa da liberdade de expressão artística".

987 0

Entidades ligadas ao movimento LGBT convocaram um protesto contra a censura na próxima terça-feira (12), em frente ao Santander Cultural, “em defesa da liberdade de expressão artística”.

Por Altamiro Borges*

Os fedelhos do Movimento Brasil Livre (MBL) dizem que não são fascistas, mas apenas defensores do receituário ultraliberal de desmonte do Estado, da nação e do trabalho. Mas, na verdade, eles são fascistas da pior espécie, como demonstraram nas marchas golpistas pelo impeachment de Dilma Rousseff, aliando-se a torturadores e saudosos da ditadura, ou nas várias provocações realizadas nas escolas ocupadas por secundaristas. Nos últimos dias, estes fascistas mirins deram mais uma prova da sua intolerância e agressividade. Eles promoveram uma campanha de ataques a uma exposição de arte que estava em cartaz desde meados de agosto no Santander Cultural, em Porto Alegre.

Leia também: Após protestos do MBL, mostra com temática LGBT é cancelada

O ataque foi tão virulento que acovardou o banco. Segundo reportagem do jornal gaúcho Zero Hora postada neste domingo (10), o Santander decidiu suspender a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, que ficaria em cartaz até 8 de outubro. “Foi a reação da instituição ao movimento de protesto de entidades e pessoas que avaliaram a mostra como ofensiva, por razões que vão de ‘blasfêmia’ no uso de símbolos católicos à difusão de ‘pedofilia’ e ‘zoofilia’ em alguns dos trabalhos expostos. As reações contrárias à Queermuseu ganharam corpo nos últimos dias, com manifestações nas redes sociais de grupos como o MBL e constrangimentos presenciais dirigidos aos visitantes”.

Em sua página no Facebook, o MBL chegou a reproduzir um texto com o título Santander Cultural promove pornografia e até pedofilia com base na Lei de Incentivo à Cultura. Ao longo do feriadão, diferentes perfis de pessoas e entidades alinhadas ao sinistro movimento e às seitas religiosas engrossaram o protesto virtual, que pediu o fechamento da mostra e até pregou um boicote ao banco. Os gestos de intolerância fascista não cessaram. “Os frequentadores do Santander Cultural relataram nas redes sociais que foram alvo no sábado de agressões verbais dirigidas por pessoas que faziam registros em vídeo da exposição e criticavam seu conteúdo. Pelo menos uma agência do banco nas imediações do prédio que abrigava a exposição, na Praça da Alfândega, foi pichada com frases como ‘Banco Santander apoia a pedofilia’ e ‘são anticristãos [sic]’, descreve o jornal.

A pressão fascista surtiu efeito. “Diante do acirramento dos ânimos, que exigiu intervenções pontuais dos seguranças do local, o Santander optou pelo prematuro encerramento da exposição”. A nota oficial do Santander diz: “Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas. Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra”. A suspensão, porém, gerou protestos. O responsável pela curadoria da exposição Queermuseu, Gaudêncio Fidelis, criticou a covardia do banco. “A decisão foi unilateral do Santander. Não fui consultado em nenhum momento sobre isso, e ninguém do Santander entrou em contato comigo. Fiquei sabendo do cancelamento por um grupo de Whatsapp”.

Um dos artistas com obra na exposição, o porto-alegrense Sandro Ka, também ficou indignado. “É lamentável que essa onda conservadora, motivada por posições equivocadas e ignorantes, tenha forçado uma instituição cultural a tomar essa posição de fechamento de uma exposição que traz uma temática importante para se pensar o mundo hoje. É nas relações de poder entre grupos hegemônicos e grupos vulneráveis que a heteronorma se afirma da pior forma possível. Todos perdemos com isso”, afirmou ao Zero Hora. Já entidades ligadas ao movimento LGBT convocaram um protesto contra a censura na próxima terça-feira (12), em frente ao Santander Cultural, “em defesa da liberdade de expressão artística, das liberdades democráticas e contra os retrocessos políticos que limitam o exercício de cidadania da população LGBT”.

*Altamiro Borges é responsável pelo Blog do Miro – Uma trincheira na luta contra a ditadura midiática

Foto: Reprodução/Facebook



No artigo

x