Lula chega à sede da Justiça Federal nos braços do povo

Foi formado uma espécie de corredor humano nas imediações da Justiça Federal, por onde Lula passou até chegar ao gradil da segurança do prédio onde ocorrerá o interrogatório.

956 0

Foi formado uma espécie de corredor humano nas imediações da Justiça Federal, por onde Lula passou até chegar ao gradil da segurança do prédio onde ocorrerá o interrogatório.

Do Portal Vermelho

Centenas de manifestantes ocupam as ruas próximas à sede da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná, nesta quarta-feira (13), para receber o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que vai depor no processo em que é acusado de receber vantagens indevidas da Odebrecht. A oitiva começará a partir das 14 horas.

“Lula guerreiro do povo brasileiro”, era a palavra de ordem dos trabalhadores, mulheres, estudantes e lideranças do movimento social que cercavam Lula. Foi formado uma espécie de corredor humano nas imediações da Justiça Federal, por onde Lula passou até chegar ao gradil da segurança do prédio onde ocorrerá o interrogatório.

Agora, os manifestantes marcham até a a Praça Generoso Marques, em frente ao Paço Municipal, no Centro de Curitiba, para a realização de um grande ato em defesa da democracia e contra a perseguição jurídica-mediática enfrentada pelo ex-presidente.

“Hoje é o dia de confrontar a mentira com a verdade. Lula vai ao depoimento judicial debaixo de pesada manipulação midiática e de condenação antes do julgamento. Lula comparece com a verdade e o apoio dos que o consideram o melhor presidente que o Brasil já teve. E querem tê-lo como próximo presidente da república. Não somos poucos. Esse é o pavor dos poderosos”, diz a senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidenta nacional do PT.

“A batalha de hoje é parte fundamental da luta pela democracia. Ao defender Lula hoje estamos defendendo os direitos que querem tirar do povo brasileiro, o direito ao trabalho e ao salário, à aposentadoria, à educação, à moradia”, afirma.

A defesa de Lula pretende fazer uma coletiva de imprensa para comentar o depoimento por volta das 18h30.



No artigo