Evangélicos de SP saúdam MBL e pedem proibição da mostra “Queermuseu”

Para os 14 vereadores que assinam o documento, a mostra desrespeitou artigos do Estatuto da Criança e Adolescente e do Código Penal e "constitui desrespeitosa difusão da 'causa gay'".

1069 0

Para os 14 vereadores que assinam o documento, a mostra desrespeitou artigos do Estatuto da Criança e Adolescente e do Código Penal e “constitui desrespeitosa difusão da ‘causa gay'”.

Da Redação*

Moralistas, conservadores, fascistas e toda a sorte de censores de plantão estão eriçados nos últimos dias. De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, a bancada evangélica da Câmara Municipal de SP fez um requerimento que pede que o Ministério Público Federal apure “ilícitos penais” e “atos de improbidade administrativa” por parte do Ministério da Cultura, de executivos do Santander e do curador da mostra “Queermuseu”.

Para os 14 vereadores que assinam o documento, a mostra desrespeitou artigos do Estatuto da Criança e Adolescente e do Código Penal e “constitui desrespeitosa difusão da ‘causa gay'”. Eles pedem que a Justiça proíba que a exposição volte a ser exibida “até que se assegure o respeito aos princípios e normas constitucionais”.

E o deputado federal Hidekazu Takayama (PSC-PR), líder da bancada evangélica na Câmara, “enalteceu” a ação do MBL (Movimento Brasil Livre) na crítica à exposição “Queermuseu”. “Vemos jovens que estão atentos a essas vergonhas. Essa nação ainda tem jeito”, disse o parlamentar em plenário.

*Com informações da coluna de Mônica Bergamo

Foto: Marcelo Liotti Junio/Divulgação



No artigo

x