“Temer e Cunha tramavam diariamente queda de Dilma”, garante delator

Segundo Funaro, Cunha funcionava como arrecadador de propinas para o “quadrilhão” do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos.

523 0

Segundo Funaro, Cunha funcionava como arrecadador de propinas para o “quadrilhão” do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos.

Da Redação*

Em mais um trecho da delação premiada do corretor Lúcio Funaro, ele deixa claro o que todos já sabiam: Na época do impeachment, o então vice-presidente Michel Temer tramava diariamente a deposição de Dilma Rousseff, com o presidente da Câmara à época, Eduardo Cunha.

A denúncia consta de um dos anexos da colaboração premiada do corretor, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na qual ele apresenta com riqueza de detalhes sua relação com o alto clero do PMDB e nomeia os “operadores” de Temer em supostos esquemas de corrupção.

Segundo Funaro, Cunha sempre funcionou como o arrecadador de propinas para o chamado “quadrilhão” do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos ao grupo.

O corretor revelou que a relação de Cunha e Temer oscilava, dependendo do “momento político”. “Na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, consequentemente, a assunção de Temer como presidente”, disse Funaro.

*Com informações do Estadão

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil/Fotos Públicas

 



No artigo

x