José Dirceu nega que defenda boicote do PT nas eleições 2018

Em nota enviada à Fórum, o ex-ministro da Casa Civil desmentiu matéria publicada na Folha de S.Paulo/UOL: “Jamais expressei tal posição e não faço ideia de onde saiu tal disparate”.

527 0

Em nota enviada à Fórum, o ex-ministro da Casa Civil desmentiu matéria publicada na Folha de S.Paulo/UOL: “Jamais expressei tal posição e não faço ideia de onde saiu tal disparate”.

Da Redação

José Dirceu enviou uma nota à redação da Fórum negando a matéria publicada pela Folha/UOL, que afirma que, “pressionado pela constatação de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dificilmente poderá ser candidato a presidente, o PT trabalha com um plano C para as eleições de 2018: o boicote. Nesse caso, além de não disputar a presidência, um dos maiores partidos brasileiros também não lançaria candidatos ao Senado ou à Câmara e se dedicaria a uma corrida internacional para propalar o que considera mais uma rachadura na democracia do país. A estratégia extrema contaria com a anuência do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, cuja imagem de líder dos princípios petistas tem sido resgatada diante de delações de antigos companheiros, como Palocci”, diz a matéria.

José Dirceu desmentiu sua participação: “A Folha de S.Paulo e Uol publicam matéria, cujo título é ‘PT estuda boicotar eleições de 2018 se Lula não puder ser candidato’. Lá pelas tantas, diz… ‘A estratégia extrema contaria com a anuência do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu…’ Declaro aqui que não é fato. Jamais expressei e esposei tal posição e não faço ideia de onde saiu tal disparate”, revela Dirceu.

A senadora Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, afirmou que o tema ainda não está em pauta, mas não descarta essa possibilidade. “O que estamos denunciando é que o impedimento de Lula seria uma fraude nas eleições. (O boicote) é uma coisa que não está sendo oficialmente discutida ainda, mas vai caminhar para isso se ele for impedido de ser candidato. É um processo que não tem base jurídica”, afirmou.

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Fotos Públicas

 

 



No artigo

x