The Guardian repercute ‘indignação nacional’ pela ‘cura gay’ no Brasil

Jornal inglês destaca que a decisão derruba a decisão do Conselho Federal de Psicologia, de 1999, que proíbe tratar homossexualidade como doença. Da Redação...

642 0

Jornal inglês destaca que a decisão derruba a decisão do Conselho Federal de Psicologia, de 1999, que proíbe tratar homossexualidade como doença.

Da Redação

Até a mídia internacional está noticiando o recente retrocesso da justiça brasileira, que, na última sexta-feira (15), proferiu uma decisão liminar que abre caminho para a chamada “cura gay”. Pela decisão, profissionais de psicologia poderiam atender homossexuais e utilizar “terapias de reversão sexual”.

Leia também: “Cura gay”: Justiça autoriza psicólogos a tratar homossexualidade como doença

O The Guardian deu destaque a essa notícia, falando sobre a decisão do juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, inclusive ressaltou que a sentença derruba uma proibição do Conselho Federal de Psicologia (CFP), de 1999, sobre “terapias de reversão sexual”. Descreveu, logo em seu título, que a medida causou “indignação nacional.

Em sua reportagem, o jornal inglês cita ainda que isso acontece, “uma semana depois de um banco cancelar uma exposição de arte gay após protestos de grupos cristãos de direita e evangélicos, a decisão aumentou o receio de que políticas progressistas pudessem ser revogadas”.

Para o The Guardian, “o Brasil tem uma população crescente de cristãos evangélicos que protestaram vociferantemente em tramas em novelas de televisão com personagens gays ou transgêneros e se alinham cada vez mais com grupos de direita”.

Ouviu ainda, o vereador carioca David Miranda (PSOL), ao qual destacou como um dos poucos políticos brasileiros que são homossexuais assumidos. “Esta decisão é uma grande regressão às conquistas progressivas que a comunidade LBGT teve nas últimas décadas. Como vários países do mundo, o Brasil está sofrendo uma onda conservadora”, afirmou Miranda.

Leia também: Psicóloga da ‘cura gay’ tem cargo sem concurso em gabinete de deputado do DEM

Declarações das cantoras Ivete Sangalo e Anitta, em duas redes sociais, também foram repercutidas pelo jornal. Para Ivete, “os doentes são aqueles que acreditam neste grande absurdo”. Já Anitta declarou que “isso é o que acontece no meu país. Pessoas morrendo, com fome, o governo matando o país com corrupção, sem educação, sem hospitais, sem oportunidades … e as autoridades estão desperdiçando seu tempo para anunciar que a homossexualidade é uma doença “.

Imagem: Reprodução/The Guardian



No artigo