Maia janta com opositores e dá sinais de que pode abandonar Temer

Jantar aconteceu na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), após o Presidente da Câmara criticar o assédio do PMDB a parlamentares que estão migrando para o DEM. Da Redação...

634 0

Jantar aconteceu na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), após o Presidente da Câmara criticar o assédio do PMDB a parlamentares que estão migrando para o DEM.

Da Redação

Rodrigo Maia começa a dar sinais de que a corda pode estourar para o lado de Michel Temer. Isso porque, jantou com a ala do PMDB de opositores ao Governo. Isso acontece, após o Presidente da Câmara disparar contra Temer e o PMDB, em razão do evidente assédio da sigla a deputados do PSB que negociam migração para o DEM.

Este encontro aconteceu na noite da última quarta (20), na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), atualmente suspensa das funções partidárias do PMDB, por criticar publicamente a cúpula do partido envolvido no caso do “quadrilhão”. Estavam presentes os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Braga (PMDB-AM), mas também o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que ainda se mantém fiel ao governo Temer.

Segundo o Estadão, o assunto do jantar foi “política”. Além dos integrantes do PMDB, deputados de outros partidos participaram do encontro, entre eles, Alexandre Baldy (Podemos-GO) e Orlando Silva (PCdoB-SP).

Orlando disse que Maia não conteve críticas a Temer. “Foi um jantar para compartilhar leituras sobre o momento político. Sobraram críticas à condução política do governo. Críticas que, aliás, já são públicas dos que lá estavam”, afirmou o deputado do PCdoB.

Ainda irritado com a postura do PMDB, o presidente da Câmara convidou deputados do PSB para um café da manhã, na quinta (21). No encontro, que aconteceu na residência oficial da presidência da Câmara, Maia voltou a criticar o PMDB pela atitude, segundo um dos participantes.

De volta à Câmara, o presidente da casa voltou a disparar contra os peemedebistas. “Quando a gente faz um acordo, tem que cumprir a palavra. A coisa mais importante da política é a palavra. Eu já avisei o presidente, isso causou muito desconforto dentro da bancada”, declarou à imprensa.

*com informações do Estadão
Foto: Marcos Corrêa/PR



No artigo

x