Dilma rebate editorial de ‘O Globo’ e manda recado: “Depois, não adianta pedir perdão”

Em nota, ex-presidenta responde ao editoral que tenta associá-la à corrupção e destaca o papel antidemocrático do jornal e seu papel decisivo em golpes no país. Confira Por Redação...

3336 0

Em nota, ex-presidenta responde ao editoral que tenta associá-la à corrupção e destaca o papel antidemocrático do jornal e seu papel decisivo em golpes no país. Confira

Por Redação

A ex-presidenta Dilma Rousseff divulgou, na tarde deste sábado (23), uma nota oficial em que rebate o editorial do jornal O Globo, que foi às bancas hoje pela manhã, em que tentam associá-la à corrupção. No texto, o jornal diz que os desvios do “quadrilhão do PMDB” só ocorreram por que “Dilma permitiu”.

Em sua resposta, a ex-presidenta classificou a atitude do jornal O Globo como uma tentativa de “jornalismo de guerra” e lembrou que, historicamente, o Grupo Globo teve papel decisivos em golpes, seja em 1964 ou seja em 2016. “Pródigo em se posicionar de maneira contrária aos governos do PT, o Grupo Globo tem um longo histórico de adesões aos golpes contra a democracia brasileira. E, como no passado, se arvora a assumir o papel de polícia, promotor e juiz. Condena sem provas, acusa sem ouvir o outro lado, promove um linchamento sistemático e odioso, manchando reputações em nome de um padrão moral que não possui e de compromissos com o país que jamais teve”, escreveu a petista.

Com relação ao seu apoio à ditadura militar instaurada a partir do golpe de 1964, o Grupo Globo já chegou a pedir desculpas. Com Dilma, no entanto, não será possível uma retratação futura. É o que ela assinala no final de seu texto.

“O papel antidemocrático de empresas jornalísticas como a Globo é sempre lembrado pelo povo, que não esquece a raiz do fascismo nas hostes dos falsos moralistas de plantão. Depois, não adianta pedir perdão”.

Confira a íntegra.

CONTRA DILMA, GLOBO SE INVESTE DO
PAPEL DE POLÍCIA, PROMOTOR E JUIZ

Jornalismo de Guerra que mira a ex-presidenta mostra autoritarismo da empresa e a adesão de primeira hora à conspiração que resultou no Golpe de 2016 e na ascensão de Temer

A propósito do editorial “Papel de Dilma ganha espaço na corrupção”, publicado pelo jornal “O Globo” neste sábado, 23 de setembro, a Assessoria de Imprensa da presidenta eleita Dilma Rousseff responde:

1. O Grupo Globo vem se investindo de forma ilegítima – e por razões inconfessáveis – em poder judiciário. Tenta de qualquer jeito manchar a honra da presidenta eleita Dilma Rousseff. Para isso, vem assumindo um papel pretensioso para o qual não tem investidura nem legal nem ética.

2. A empresa demonstra absoluto descompromisso com a ética jornalística exigida para o desempenho da nobre função de informar. Tanto que volta ao Jornalismo de Guerra, promovendo os assassinatos de reputação como quem distribui brindes em bancas de revistas.

3. Pródigo em se posicionar de maneira contrária aos governos do PT, o Grupo Globo tem um longo histórico de adesões aos golpes contra a democracia brasileira. E, como no passado, se arvora a assumir o papel de polícia, promotor e juiz. Condena sem provas, acusa sem ouvir o outro lado, promove um linchamento sistemático e odioso, manchando reputações em nome de um padrão moral que não possui e de compromissos com o país que jamais teve.

4. Depois de demonizar a presidenta eleita Dilma Rousseff, lançando mão de toda sorte de ataques antes, durante e depois de sua reeleição, assumindo inclusive um papel decisivo na construção do seu impeachment, o Grupo Globo se esmera agora em distorcer a realidade.

5. Dizer que a presidenta beneficiou o grupo de Eduardo Cunha e o “quadrilhão do PMDB” em esquemas de corrupção na Caixa Econômica é mentir mais uma vez para o público. A empresa rasga os fatos e encobre o seu próprio papel no impeachment e ainda no acordo que permitiu a ascensão do peemedebista – agora preso – à Presidência da Câmara dos Deputados, talvez em troca de um bloqueio à lei de regulação econômica da mídia.

6. Sobre o método de lançar acusações sem provas, promovendo julgamentos antecipados, basta apontar que o Grupo Globo chegou a editar fotos na capa do jornal, recentemente, induzindo o leitor a falsas conclusões. E, ainda, condenou Dilma mesmo ela já tendo sido absolvida, como no caso de Pasadena.

7. Vale lembrar que a condenação por tribunais midiáticos resulta muitas vezes na absolvição pela Justiça e pela História. Já o papel antidemocrático de empresas jornalísticas como a Globo é sempre lembrado pelo povo, que não esquece a raiz do fascismo nas hostes dos falsos moralistas de plantão. Depois, não adianta pedir perdão.

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

 



No artigo

x