Desaprovação de Lula cai enquanto a de Moro sobre, aponta pesquisa

O jogo começa a virar e o juiz que foi tão aplaudido por condenar Lula vê sua reprovação aumentar e a do petista cair. Levantamento do instituto Ipsos apontou ainda que só Lula cresce...

1133 0

O jogo começa a virar e o juiz que foi tão aplaudido por condenar Lula vê sua reprovação aumentar e a do petista cair. Levantamento do instituto Ipsos apontou ainda que só Lula cresce em aprovação enquanto Aécio, Doria, Bolsonaro e outros políticos são cada vez mais rejeitados. Temer, por exemplo, está perto do 0% de aprovação. Confira

Por Redação

A pesquisa mensal de credibilidade do instituto Ipsos divulgada neste domingo (24) mostra um cenário bem diferente de alguns meses atrás. A desaprovação do ex-presidente Lula caiu, enquanto a desaprovação do juiz Sérgio Moro, que o condenou em primeira instância, aumentou. Em agosto, de acordo com a mesma pesquisa, Lula tinha 66% de desaprovação e, neste mês, o percentual caiu para 59%. Paralelamente, sua aprovação aumentou de 32% para 40%.

Já Sérgio Moro atingiu seu recorde de desaprovação, chegando a 45%. Sua aprovação entre a população, por sua vez, caiu, e agora está em 48%.

Lula, inclusive, foi o único que viu sua desaprovação cair e sua aprovação aumentar nessa pesquisa. Outros políticos e possíveis presidenciáveis estão cada vez mais rejeitados pela população.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), por exemplo, foi de 52% de desaprovação para 58%. Sua aprovação, por sua vez, caiu e agora está em 16%, menos da metade da de Lula. É o que aconteceu também com o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que teve sua desaprovação aumentada para 66%. Apenas 19%, também menos que a metade dos que aprovam Lula, o aprovam.

Um que está perto de chegar aos 100% de reprovação e 0% de aprovação é o presidente Michel Temer. De acordo com a pesquisa, neste mês o peemedebista atingiu um novo recorde: 94% de desaprovação e 3% de aprovação.

O levantamento foi feito entre os dias 1.º e 14 deste mês. A pesquisa completa pode ser conferida no site do instituto.

 

 



No artigo

x