Exposição com homem nu enlouquece Bolsonaro e MBL

A jornalista Rita Lisauskas comentou as reações contrárias à exposição de forma irônica: “Meu Deus! Um homem! Um pinto! Que horror”. Bastou para ser atacada também. Da Redação*...

8064 0

A jornalista Rita Lisauskas comentou as reações contrárias à exposição de forma irônica: “Meu Deus! Um homem! Um pinto! Que horror”. Bastou para ser atacada também.

Da Redação*

Durante uma intervenção nesta quinta-feira (28), no 5° Panorama da Arte Brasileira, que está sendo realizado no Museu de Arte Moderna de São Paulo, um homem ficou nu enquanto era observado e tocado pela plateia, inclusive crianças.

Em resposta aos ataques nas redes e a presença da criança, o MAM se pronunciou através de nota, onde diz que tudo foi devidamente sinalizado e a criança que aparece no vídeo veiculado por terceiros estava acompanhada e supervisionada por sua mãe (Leia na íntegra abaixo).

A cena bastou para que as “cajazeiras” de sempre, incluindo aí, é claro, o MBL e Jair Bolsonaro (PSC-RJ), partissem para o ataque de forma violenta contra a mostra, chamando organizadores e realizadores de “pedófilos”, entre outros adjetivos.

A jornalista Rita Lisauskas, autora do livro “Mãe sem Manual”, comentou uma dessas postagens virulentas de forma irônica: “Meu Deus! Um homem! Um pinto! Que horror”. Bastou para ser atacada também.

O Deputado Jair Bolsonaro gravou um vídeo reproduziu a cena com a legenda: “Cenas que revoltam… uma criança toca homem nu ‘em nome da Cultura.’ Coloquei a tarja no vídeo em respeito a vocês. MIL VEZES CANALHAS!”.

O grupo de direita “Avança Brasil” marcou manifestação para esta sexta-feira (29), na porta do MAM, para exigir e fechamento da exposição. A polêmica segue nas redes e promete novos episódios ao longo do dia.

Nota de Esclarecimento – MAM

O Museu Arte de Moderna de São Paulo informa que a performance ‘La Bête’, que está sendo questionada em páginas no Facebook, foi realizada na abertura da Mostra Panorama da Arte Brasileira, em apresentação única.

A sala estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística, seguindo o procedimento regularmente adotado pela instituição de informar os visitantes quanto a temas sensíveis.

O trabalho apresentado na ocasião não tem conteúdo erótico e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas.

Importante ressaltar que o material apresentado nas plataformas digitais não apresenta este contexto e não informa que a criança que aparece no vídeo veiculado por terceiros estava acompanhada e supervisionada por sua mãe. As referências à inadequação da situação são resultado de desinformação, deturpação do contexto e do significado da obra.

O MAM reafirma que dedica especial atenção à orientação do público quanto ao teor de suas iniciativas, apontando com clareza eventuais temas sensíveis em exposição.

O Museu lamenta as interpretações açodadas e manifestações de ódio e de intimidação à liberdade de expressão que rapidamente se espalharam pelas redes sociais.

A instituição acredita no diálogo e no debate plural como modo de convivência no ambiente democrático, desde que pautados pela correta compreensão dos fatos.

Foto: Reprodução/Através

 

 



No artigo

x