Governo demite diplomata de Nova Iorque por ‘crime de opinião’ contra Temer

No último dia 27 de setembro, Julio de Oliveira Silva estreou como colunista da CartaCapital, com o texto Temer e o projeto de subdesenvolvimento. No dia seguinte, o ministro Aloysio Nunes assinou a portaria...

3545 0

No último dia 27 de setembro, Julio de Oliveira Silva estreou como colunista da CartaCapital, com o texto Temer e o projeto de subdesenvolvimento. No dia seguinte, o ministro Aloysio Nunes assinou a portaria que o afastou de suas funções.

Da Redação

Nesta terça-feira (3), o diplomata Julio de Oliveira Silva foi removido do cargo de segundo-secretário do consulado do Brasil em Nova Iorque. A medida foi tomada pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Segundo a coluna de Mônica Bergamo, Julio não recebeu sequer aviso prévio ou qualquer explicação para a transferência. Soube dela apenas pela publicação no Diário Oficial.

No último dia 27 de setembro, o diplomata estreou como colunista da CartaCapital, com o texto Temer e o projeto de subdesenvolvimento. No dia seguinte, o ministro Aloysio Nunes assinou a portaria que afastou Julio de Oliveira Silva de suas funções.

Entre outros assuntos, no texto, o diplomata que também é economista, afirma que “o compromisso das forças políticas atuais com o atraso, não apenas na economia, denota a intenção explícita em reverter o pacto social civilizatório duramente obtido em 1988”.

“Soja e minério de ferro se vendem sozinhos. Construir jatos comerciais (Embraer), vender serviços de TI (BRASSCOM), internacionalizar nossas montadoras (Marcopolo, Anfavea) e nossa indústria de máquinas e equipamentos (WEG), para citar apenas algumas das empresas participantes, requer esforço. Os governos do PT reconheciam a importância deste esforço”, refletiu.

Em novo texto publicado na última terça, ele falou sobre a atual equipe econômica do governo Temer. “As equipes econômicas brasileiras sempre se deslumbraram com Wall Street e os milionários de Nova York, mas desde o golpe o compadrio se aprofundou”, apontou.

*com informações de Mônica Bergamo, na Folha, e CartaCapital
Fotos: Reprodução/Facebook e Beto Barata/PR



No artigo

x