“Se soubesse que seria o rosto de um comercial racista, teria dito não”, diz modelo da Dove

Nigeriana Lola Ogunyemi afirma que se soubesse que seria retratada como "inferior" não teria aceitado

1106 0

Em artigo escrito para o The Guardian, a nigeriana Lola Ogunyemi afirma que se soubesse que seria retratada como “inferior” não teria aceitado. 

Da Redação

A modelo Lola Ogunyemi escreveu um artigo para o jornal britânico The Guardian onde fala sobre o comercial da Dove que causou revolta entre internautas, fazendo a empresa retirar o post e pedir desculpas no seu perfil oficial. “Se eu tivesse o menor conhecimento de que eu seria retratada como inferior, ou como ‘antes’ em um antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um ‘não’ enfático”, diz. “Isso é algo que vai contra tudo o que represento.”

De família nigeriana, nascida em Londres e crescida em Atlanta (EUA), Lola afirma que ficou feliz quando foi chamada para filmar o comercial da Dove. “Cresci muito consciente da opinião da sociedade de que as pessoas de pele escura, especialmente as mulheres, ficariam melhores se a pele fosse mais clara”, comenta. “Ter a oportunidade de representar minhas irmãs de pele negra em uma marca de beleza global era como a maneira perfeita para lembrar ao mundo de que estamos aqui, somos lindas e, mais importante, somos valorizadas.”

Lola conta que a filmagem foi uma experiência muito positiva e que ficou surpresa quando a propaganda foi acusada de racista. “Eu lembro de todos nós animados com a ideia de vestir camisetas (cor) ‘nude’ e se tornando a outra.” Ela lamenta, agora, que ao digitar no Google “propaganda racista” sua imagem seja a primeira a aparecer. “Acordei com uma mensagem de um amigo perguntando se a mulher em um post que ele vira era realmente eu. Fui on-line e descobri que eu me tornara a garota-propaganda involuntária para uma propaganda racista”, conta.

Lola diz que ficou impressionada com a polêmica. Afirma concordar com o pedido de desculpas da empresa, mas afirma que a Dove poderia ter defendido mais sua visão criativa e o fato de ter escolhido uma mulher negra para sua campanha. Para ela, a propaganda foi exibida fora do contexto, e a versão completa da TV deixa a mensagem da diversidade mais clara. “Não sou apenas uma vítima silenciosa de uma campanha de beleza equivocada. Sou forte, sou linda e não vou ser apagada.”



No artigo

x