Ministro da Saúde defende plano de saúde mais caro para idosos

Para proteger a saúde financeira dos convênios médicos, Ricardo Barros quer o reajusta de preços para idosos: “Os planos de saúde assumem um risco antecipado por uma coisa incerta”, afirmou.

1325 0

Para proteger a saúde financeira dos convênios médicos, Ricardo Barros quer o reajusta de preços para idosos: “Os planos de saúde assumem um risco antecipado por uma coisa incerta”, afirmou.

Da Redação*

Ricardo Barros, ministro da Saúde de Michel Temer, disse que os planos de saúde “assumem um risco antecipado por uma coisa incerta”, ao não poderem reajustar a mensalidade de usuários depois de 60 anos. Um projeto que permite esse reajuste deve ser votado em comissão especial da Câmara nesta quarta-feira (8).

Em entrevista à repórter Natália Cancian, da Folha de S.Paulo, Barros afirmou que esse assunto, que é criticado por usuários e por entidades de defesa do consumidor, “tem que ser enfrentado”. “O equilíbrio econômico do plano de saúde tem que ser mantido”, ressaltou.

Hoje, há dois tipos de reajuste de planos de saúde: um anual, que ocorre pela variação nos custos do período, e outro por faixa etária. O Estatuto do Idoso, porém, veta desde 2004 esta última elevação (relacionada à idade dos usuários) a partir dos 60 anos – há 6,2 milhões de clientes de planos acima dessa idade.

Pelo projeto em discussão na Câmara, esse aumento seria permitido. A justificativa é que, pelo modelo atual, há um único reajuste abusivo quando os usuários atingem 59 anos – e que ele poderia ser diluído em fases posteriores. O ministro diz ainda que deve rever protocolos de alguns tratamentos para evitar que internações sejam prolongadas “sem necessidade”.

*Com informações da Folha de S.Paulo e do Brasil 247

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil/Fotos Públicas

 

 



No artigo

x