Temer fecha com Sarney lançamento de candidatura de Roseana no Maranhão

A cada vez que a filha de Sarney se lança em nova empreitada, a sua ficha corrida, repleta de processos e escândalos, como a apreensão, em 2002, de 1,3 milhão de reais em espécie em empresa de sua propriedade, só faz crescer

1488 0

A ex-governadora deve disputar com Flávio Dino, que terá desta vez o apoio de Lula. Em 2002, Roseana quase foi candidata a presidenta da República, mas foi investigada na Operação Lunus e desistiu

Da Redação*

Com o aval e apoio de Temer, a ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney, vai disputar com Flávio Dino o governo estadual. O anúncio foi feito na semana passada em entrevista ao jornal “O Estado do Maranhão” e à rádio Mirante FM, ambas de propriedade da família Sarney.

Esta é a quinta vez que Roseana se candidata ao governo do Maranhão. Em março de 2002, quando se preparava para se candidatar à presidência, foi investigada pela Polícia Federal. A operação  resultou na apreensão de 1,3 milhão de reais na sede da construtora Lunus, em São Luís, no Maranhão.

A empresa era de propriedade da então governadora Roseana Sarney (PMDB) e do marido dela, Jorge Murad. O caso acabou afastando seu partido, o DEM, do candidato do PSDB, José Serra, que foi tido à época como o articulador da investigação.

Roseana também é acusada de envolvimento com corrupção em outros casos. Em março deste ano, por exemplo, a justiça do Maranhão determinou o bloqueio de suas contas bancárias, suspeita de participar de esquema criminoso que desviou mais de R$ 1 bilhão da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), no período em que governou o estado entre os anos de 2009 e 2014.

Na mesma semana, de acordo com a revista Veja, Roseana teria sido citada na delação do executivo da Odebrecht, João Pacífico, operador da propina distribuída pela empreiteira a políticos da região Nordeste.

Vários outros casos, como o pioneirismo da filha de Sarney na Operação Lava Jato, remetem a 2014, quando ela foi investigada por ter recebido propina do doleiro Alberto Youssef, para que o governo do estado antecipasse o pagamento de um precatório de R$120 milhões às construtoras UTC/Constran.

O anúncio da candidatura, de acordo com reportagem da Folha, foi feito após visita ao Congresso e um encontro com Temer no Palácio do Jaburu.

Além do atual governador Flávio Dino (PCdoB) e Roseana, também são cotados para disputar o governo do Maranhão o senador Roberto Rocha (PSB),  ex-deputada estadual Maura Jorge (Podemos) e Ricardo Murad (PRP), cunhado de Roseana, que com a entrada dela em cena deve recuar de sua pretensão.

*Com informações da Folha, Carta Capital e Brasil 247

Foto: Agência Brasil

 

 



No artigo

x